Cultura do estupro

Infelizmente, nossa sociedade ainda apoia a cultura do estupro. Quando um crime sexual é cometido contra uma mulher, ela se sente humilhada e estigmatizada, fazendo assim com que muitos crimes não sejam registrados. E não é por pouco que essas mulheres se calam… Já ouvi histórias de policiais julgando a vítima quando estas denunciam. Isto é, quem deveria proteger também culpa a vítima. Por falar em proteção, a família muitas vezes também não colabora.

Nós, mulheres, crescemos com a sociedade pressionando para que aceitemos a culpa quando tal tipo de crime acontece conosco. Somos avisadas desde pequenas para não andarmos em certos lugares sozinhas à noite, que certas roupas “tentam” os homens, e que caso bebamos demais, o que quer que aconteça é nossa culpa. Isto é, caso fizermos certas coisas ou agirmos de certa maneira estamos PEDINDO para algo acontecer. A culpa é da vítima, não do agressor. Pobre agressor, tentado por todas essas mulheres! E se fosse um assalto? A vítima seria o assaltante?

O feminismo é muitas vezes visto como algo radical. A idéia de uma mulher não ser um objeto não deveria ser vista como radical, e sim como senso comum. Enquanto aceitarmos essa culpa que a sociedade nos impõe e enquanto não responsabilizarmos os agressores por seus atos (e não as vítimas), nunca chegaremos ao status de seres humanos. Não estou dizendo que as meninas não devem aprender a evitar problemas, mas toda a idéia está errada, até porque a mudança (caso um dia aconteça!) será lenta. Ensinar as meninas a não ‘tentar’ homens com suas roupas ou a não andarem sozinhas à noite está errada. São os meninos que devem aprender que as mulheres não são objetos e que, não importa o que estejam vestindo e onde estiverem andando, não devem ser abusadas. Voltando ao exemplo do assalto: Não é a vítima que tem que aprender a ser cautelosa, mas sim o assaltante que deveria saber que assaltar é errado.

Advertisements

Você está sendo abusado(a) em seu relacionamento?

Atenção, direcionarei esse texto para às mulheres, porque são a grande maioria das vítimas, mas homens também sofrem abuso.

Existem vários tipos de abuso. O abuso físico é o mais óbvio porque deixa marcas e é praticamente impossível negá-lo, então não será tema deste texto. Vou falar do abuso silencioso, que se instala em nossa vida sem nem ao menos percebermos. Só começamos a perceber quando é tarde demais e difícil de se livrar. Algo em sua mente constantemente diz “tem algo errado aqui”, mas, principalmente quando amamos demais uma pessoa, fazemos de tudo para protege-la, incluindo colocar a responsabilidade em nós mesmos. Isto é, deixamos de ter uma situação em que somos vítimas, e evitamos o que seria mais óbvio – sair da relação, para transformar isso em um problema nosso, assim temos controle da situação e podemos “melhorar”.

Eu aprofundarei esse assunto em um outro momento, mas aqui estão alguns sinais de que você provavelmente está sofrendo abuso e não sabe:

1- A reação do seu parceiro é pior do acontecimento que você passou:
Essa as mulheres vão entender muito bem: Vamos supor que você esteja na rua e um tarado qualquer lhe passa a mão em sua cintura, completamente do nada. Você conta isso chocada e seu marido/namorado diz que a culpa é sua, seja lá porque estava sorrindo para o cara ou porque estava usando roupas curtas demais.

2- O parceiro controla todas as finanças:
Abuso financeiro existe, principalmente para donas-de-casa. Muitas acabam ficando presas em um ambiente hostil pois não tem como fugir, já que todo o dinheiro é controlado pelo parceiro. Fugir, num caso desses, necessitaria de pessoas de confiança perto, e isso nem sempre acontece.

3- Ele te isola da família e de amigos:
Às vezes quem te abusa não sabe o que está fazendo, mas na grande maioria das vezes, lá no fundo, essa pessoa teme que alguém venha e lhe mostre o que está ocorrendo, logo, o isolamento é o jeito mais fácil de controle. Te isolando, a pessoa corta sua rede de contatos (e de fuga).

4- Ele te deixa inconfortável sexualmente:
Estupro não acontece somente com estranhos em cantos escuros ou em festas com gente bêbada. A maioria dos estupros, aliás, é cometido por pessoas que nos conhecem. Mas, voltando ao assunto, estupro em relacionamento acontece. Se você se vê obrigada a participar de atos sexuais que não quer, saiba que está sofrendo abuso sexual. Muitos desses abusos vêm por meios de chantagens e o medo de perder o relacionamento é grande, então acaba-se aceitando o ato. Isso quando o ato não é aceito mesmo, e é forçado, virando estupro.

5- Ele te deprecia:
Ao invés de mostrar qualidades, mostra defeitos. Se você entrar ‘na onda’ fica bem mais fácil. Ele vira o bonzinho que tem que lidar com os seus problemas. Ou você já é velha demais para ter um outro relacionamento, ou gorda, ou problemática… Aí então você se segura nessa única chance de relacionamento que tem, porque, afinal, ele é um anjo por lhe aturar do jeito que você é. Quando você chega ao ponto de achar que não vale nada mesmo, é difícil ver que o problema não é você. Se a pessoa que supostamente te ama não te acha nada demais, o problema não é você, é ele. Ninguém vive um relacionamento com alguém que este acha que não tem valor algum. Ele está no relacionamento pelo poder que tem sobre você e como pode lhe estraçalhar, virando ele assim o todo-poderoso e bonzinho da história.

6- Você tem medo de sair da relação:
Se você tem medo de passar risco de vida caso tente sair do relacionamento, seu parceiro é um abusador. Se você acha que literalmente não pode viver sem o seu parceiro (não porque o ama e porque vai sentir falta dele), você pode estar sendo abusada. Abusadores sugam tudo o que somos, só deixando partes que lhe interessam. Se você acha tão perdida que não pode mais viver sua vida por conta própria, saiba que você pode e que você merece mais do que isso.

Você pode ser mais do que alguém lhe permite que você seja. Nem você nem ninguém merece ser abusado. Procure ajuda.

ninguém merece ser abusado. Procure ajuda.

Celulares

Os celulares de hoje em dia são ótimos. Eles tem absolutamente TUDO o que precisamos. Além do básico (ligar e mandar mensagem), temos agenda, GPS, internet, aplicativos para absolutamente tudo (até para conhecer pessoas que estão por perto), redes sociais etc. É definitivamente um grande avanço e com certeza tem um lado positivo. Mas vocês já perceberam como as pessoas cada vez mais estão mais alienadas do mundo real? Cada vez mais vemos famílias e amigos em mesas de restaurante, bares e cafés, ao invés de interagir com os que estão presentes, usando o celular e perdendo momentos importantes de comunicação presencial.

Os aparelhos cortam a comunicação entre pessoas, no mundo físico. Isto é, crianças, principalmente, deixam de aprender a se comunicar direito com uma pessoa que está na frente dela. Aprender a se relacionar na vida real é importante, e crucial para um casamento funcionar, por exemplo. A média de divórcios não está somente aumentando por traição, menos tempo de qualidade para o casal (e problemas vindos de redes sociais!), mas também porque as pessoas não sabem mais interpretar sinais dos parceiros, ou deixam de prestar atenção nos pequenos detalhes como mudança de tom de voz ou mudança facial, pois o contato olho a olho diminuiu drasticamente desde o uso de smartphones. E não estou falando que sou contra encontrar alguém online, mas inevitavelmente será necessário habilidades sociais reais para fazer o relacionamento acontecer e se manter.

Não perceber pequenas nuances de tons de voz e mudança de face são apenas pequenos problemas de uma grande lista. Os celulares, conforme estudos (o link do artigo se encontra no final do post), afeta os níveis cognitivos de pessoas que foram testadas. Testaram pessoas com um celular na mesa, e outras com o celular guardado. As pessoas com o celular na mesa renderam em média 20% a menos que as sem contato visual com o celular. Por quê? Uma grande possibilidade é que já ficamos esperando alguma mensagem ou ligação, mesmo sem estarmos usando o telefone, logo, perdemos uma boa parte da atenção. Além disso, se você é usuário de smartphone, provavelmente percebeu que sua memória piorou. Isso tem explicação: para uma memória de curto prazo se tornar uma memória de longo prazo precisamos de tempo de descanso, só que o problema é que estamos sempre estimulados por celulares, logo, nosso cérebro não tem o tempo necessário para recordar tudo o que deveria recordar.

Como se fosse pouco o que eu mencionei acima, nosso aparelhinho corta todas as nossas barreiras trabalho-casa. Isto é, muitos acabam respondendo clientes ou chefes fora de expediente, virando um trabalho 24h, e obviamente isso também influencia na vida familiar e social.

Portanto, o celular é bom, mas use com moderação!

https://www.psychologytoday.com/blog/glue/201501/is-your-smartphone-making-you-dumb
making-you-dumb