Ciúmes na relação

imagem:FreeDigitalPhotos.net
imagem:FreeDigitalPhotos.net

Ciúme é um sentimento complexo, que é multi-dimensional, envolvendo raiva, ansiedade e medo. O ciúme tem suas raízes em você mesmo (variando de acordo com a sua história de vida), na cultura que você vive (o que se é esperado em uma cultura muitas vezes não é esperado na outra)  e na relação entre duas ou mais pessoas. Além disso, quando falamos de ciúmes, geralmente pensamos em algo negativo, trazendo a idéia de possessividade, controle e egoísmo.

Quando pensamos em ciúmes em um relacionamento, podemos adicionar a todos os adjetivos citados acima, conflitos e problemas no relacionamento. Muitas vezes esses problemas, levados ao nível máximo, podem causar crimes passionais, sendo a maioria causados por homens.

No entanto, a idéia de que ciúmes são sempre ruins é um pensamento equivocado. Na verdade, ciúme, na dose certa, é um indicativo de que a pessoa gosta do parceiro, e ajuda na manutenção dos laços amorosos. Ciúme é uma reação biológica, isto é, natural, que é observada em animais e em bebês. O ciúme varia em grau e em tipo. Podemos dizer que o ciúme em um relacionamento pode ser categorizado, no mínimo, em ciúme reativo e ciúme desconfiado.

O que quero dizer com isso? Pois bem, como eu disse antes, ciúme é uma reação natural, e que depende de uma série de fatores. O ciúme que chamo aqui de reativo acontece quando há uma real ameaça ao relacionamento. O ciúme então acontece por causa de “um estranho no ninho”. Isso não significa que a reação seja necessariamente adequada ou aceitável socialmente só porque há uma ameaça real. Há níveis e níveis de ciúme. Esse ciúme, portanto, é causado, pelo menos por parte, por um fator externo. Já o ciúme desconfiado é causado por fatores internos. Baixa auto-estima, entre outros fatores causados por eventos causados no passado (até possivelmente uma traição anterior), podem gerar insegurança.

Os dois ciúmes podem se entrelaçar ou um virar o outro. Por exemplo, uma pessoa com ciúme reativo que é traída pode começar a ter ciúme do tipo desconfiado depois da traição, e uma pessoa que tem ciúme desconfiado do parceiro, gerando comportamentos altamente neuróticos, pode destruir o relacionamento e fazer com que o parceiro perca o interesse no relacionamento, e consequentemente termine ou traia.
No final, o que importa é que sentimentos de ciúme e insegurança sempre são ruins, então devemos consertá-los. A forma de conserto é que difere nessa hora. Se você tem ciúme do tipo desconfiado, trabalhar em si mesmo, fazer terapia e aumentar sua auto-estima são pontos cruciais. Já no caso do ciúme reativo, comunicação entre os parceiros é a chave: Apesar de conversas sobre o tópico serem complicadas e muitas vezes evitadas, insegurança, segredos e omitir sentimentos não é uma base sólida para a um casal se manter. Comunicação é essencial para um relacionamento saudável.

Advertisements

Como você escolhe seu parceiro amoroso?

ID-10068893

Muitos de nós acreditamos em almas gêmeas; de que existe uma pessoa em especial que é perfeita para nós, em todos os sentidos. Mas a verdade é que a crença da alma gêmea pode estar te impedindo de ser feliz.

Primeiramente, sejamos realistas: se existe uma pessoa na Terra perfeita para você e a Terra tem aproximadamente 7 bilhões de pessoas, é bem provável que você não ache essa pessoa. Consegue imaginar passar por todas essas pessoas antes de achar o seu par ideal? Mesmo que você tenha uma preferência sexual por um gênero só, 3,5 bilhões ainda é coisa demais.

Shwartz e colaboradores (2012) notaram que há dois modos prevalentes de escolha de parceiro: satisfação e maximização.

A pessoa que procura pelo método de maximização procura encontrar a MELHOR pessoa possível e troca quando encontra alguém melhor que o parceiro atual. O tipo de pessoa que diz que só vai se casar com o melhor homem (ou mulher) da Terra. Essas pessoas procuram bastante e por um longo tempo, ganham bastante experiência, e não aceitam nada aquém do melhor.

Já a pessoa que procura pelo método de satisfação pensa nos pontos que ela julga necessário para um parceiro antes de começar a sua procura, e selecionam a primeira pessoa que se encaixa nesses critérios, ao invés de estar sempre procurando pelo melhor de todos, a busca inalcançável.

Apesar de nossa sociedade ser de fato maximizadora, afinal, queremos sempre o melhor em tudo, os estudos comparando os dois tipos de escolha mostra que pessoas que vão pelo método de maximização se encontram mais deprimidas, perfeccionistas e se arrependiam mais que as pessoas que procuravam pelo método de satisfação, que se encontravam bem mais otimistas, felizes com a vida e com boa auto-estima. Essas pessoas encontram o que querem e o que precisam, e estão satisfeitas com o que têm.

As pessoas que procuram pelo método de maximização acabam pulando de relacionamento em relacionamento, sempre procurando por algo melhor (ou simplesmente esperando por todo o sempre), e depois sofrendo as consequências por estar sempre correndo atrás da inatingível perfeição.

Portanto, o ideal é parar e pensar o que você precisa num parceiro para te deixar feliz e satisfeito e também o que é absolutamente inadmissível um parceiro ter como defeito e seguir com essa lista, e esqueça as opiniões alheias ou o que a mídia manda. Assim, você conseguirá achar um parceiro bom e parará de procurar a perfeição, que não existe.

imagem:FreeDigitalPhotos.net

Fatos importantes sobre a falha

Obviamente, para qualquer pessoa, falhar é ruim. Infelizmente não podemos controlar quando as falhas acontecem, mas podemos controlar como nos sentimos com o acontecimento. O que precisamos manter em mente quando falhamos é que a falha afeta nossos pensamentos, sentimentos e o nosso comportamento. Então vamos a alguns fatos importantes sobre a falha:

A pressão para se sair bem causa mais dano do que benefício:
Quando você se pressiona muito para se sair bem em uma tarefa, você se atrapalha. Já percebeu que as vezes treinamos e treinamos para algo, nos saímos bem, e na hora H falhamos? Quando nosso cérebro tenta corrigir uma tarefa que geralmente já fazemos bem feita, nosso cérebro mais atrapalha que ajuda. Isto é, pensar demais atrapalha, assim como pensar de menos. Para ignorar correções onde não precisa corrigir, tente assoviar ou cantarolar. O assovio faz com que menos informação venha e você não se atrapalhe com o cérebro “falando” o tempo todo.

Força de vontade é como um músculo: precisa de alimento e descanso:O cérebro precisa de repouso. Se você usar em demasia, não funcionará perfeitamente. Assim como precisa de alimento (glucose) para funcionar. Se não alimentarmos nosso cérebro com glucose, ele começa a falhar, fazendo com que nossas funções cognitivas (como atenção e raciocínio) diminuam. Portanto, alimente-se bem e descanse para melhores resultados.

Falhas fazem com que você veja o seu objetivo como mais difícil e faz você acreditar que suas habilidades são menores do que elas são de verdade. Veja que eu escrevi acreditar e ver. Suas habilidades continuam as mesmas (apesar de você poder muito bem se auto-sabotar) e seu objetivo continua exatamente o mesmo.

A falha pode criar uma sensação de impotência: falhar machuca o seu “ego”, e automaticamente não queremos falhar de novo, então evitamos de todas as maneiras repetir o mesmo ato, com a desculpa de que não somos capazes de conseguirmos. Quando impedimos nós mesmos de falharmos novamente, impedimos ao mesmo tempo que tenhamos sucesso.

Seu medo de falhar pode te auto-sabotar: Muitas vezes quando temos medo de algo, acabamos nos colocando em uma situação que falhamos automaticamente. Por exemplo: Uma pessoa que tem medo de provas pode arranjar desculpas para não estudar, como criar um problema psicossomático (dor de cabeça, dor de barriga…) ou se ocupar de uma outra forma em que tenha uma desculpa para não estudar para a prova. Então, quando essa prova é dada, sua auto-sabotagem cria uma desculpa para não reconhecer a nota baixa como falha, mas essa pessoa poderia muito bem ter se dado a chance e estudado, e ter tirado uma boa nota, caso não se auto-sabotasse.

Quando falhar, tente focar nas variáveis que você pode controlar. Disseque um problema e veja o que você pode mudar nele. Saber que está em controle diminui a sensação de impotência quando uma falha aparece. Somente depois de focar e consertar todos os pontos que você tem controle vá para os pontos que você não têm e pense como pode obter controle sobre eles.