Trancafiados: como sobreviver em paz com o seu parceiro e com a sua família durante a quarentena

argument-238529_1920

Nessas últimas semanas a situação do país ficou complicada em vários aspectos. A insegurança em relação ao futuro está batendo nas nossas portas, ao mesmo tempo que bate uma sensação de impotência – afinal, precisamos ficar em casa. A quarentena mudou a rotina de todos, e, por mais que gostemos e amemos as pessoas com quem moramos, ficar debaixo do mesmo teto 24h por dia pode ser bem frustrante. Precisamos de “ar fresco” de vez em quando, e todas as restrições estão deixando as nossas interações mais difíceis, exponencializando os problemas que antes eram pequenos ou talvez sequer existentes. Por isso, vale a pena se atentar a algumas regras de boa convivência que já seriam importantes no dia a dia normal, mas são muito mais importantes agora:

Tempo junto e tempo separado:
O tempo junto com seu parceiro é fundamental, mas o tempo separado também. Quando estamos trancafiados dentro de casa, esse tempo pode se tornar difícil de conseguir. Dê um espaço para seu parceiro trabalhar ou fazer o que for do interesse dele, e faça o mesmo. Caso isso não venha naturalmente entre vocês, considere separar horários específicos para atividades individuais.

Bom humor:
Bom humor sempre foi importante, mas é fundamental agora. Tente ver as coisas de uma forma positiva, afinal, trazer mais negatividade para dentro de casa no momento em que vivemos não é necessário. Desligue um pouco a sua mente das tragédias, e veja algo que lhe faz bem. Ria junto com as pessoas que você ama. Veja séries, jogue jogos de tabuleiro. A situação está séria, mas você pode viver a sua vida em casa de uma maneira mais positiva.

Preste atenção nos seus comportamentos e reações:
Muitas vezes alimentamos conflitos apenas porque não estamos completamente presente no momento, agindo impulsivamente. Estando em casa o tempo inteiro, sem um momento para respirar, isso pode se tornar catastrófico. Reflita mais, reaja menos.

Caso haja uma briga, dê uma pausa para respirar:
Isso não significa ficar mudo e ignorar seu parceiro – jamais faça isso. Literalmente peça um tempo para você. Quando estamos no calor do momento tendemos a dizer muita coisa que não precisamos, que não são construtivas, muito pelo contrário. Você vai ver que se você parar um pouco para refletir e esfriar a cabeça, evitará muitos problemas.

Assuma seus erros e peça desculpas:
Muitas vezes respondemos à uma reclamação com outra, fazendo um bate e volta, para esquivarmos dos nossos erros. Isso não é construtivo e pode gerar uma briga desnecessária. Assuma seu erro, peça desculpas e não puxe problemas do passado. Seja mais responsável, e talvez você vire um bom exemplo para o seu parceiro também.

Dê o benefício da dúvida:
Vilanizamos o comportamento das pessoas ao nosso redor constantemente. Procuramos motivos para fulano ter feito isso ou aquilo. Um esquecimento pode ser facilmente interpretado como uma pequena vingança. Isso cria um ambiente tóxico e um efeito bola de neve, pois obviamente traz frustração para o acusado, que pode responder da mesma forma. Tente entender a situação ao invés de ver tudo com uma pitada de crueldade.

Tenha empatia, e deixe discussões desnecessárias de lado:
Estamos tendo muitas divergências políticas com amigos e parceiros, e muitos chegam à um nível passivo-agressivo para tentar mostrar que o seu lado está certo. Você não vai convencer ninguém, então deixe de bobeira, pois isso pode custar muito caro no final. Lembre-se que independente da visão política do seu parceiro ou dos seus familiares, todos querem que a epidemia suma o mais rápido possível, e ninguém quer mais tragédia. Tenha empatia com as pessoas próximas, assim como você quer que as pessoas tenham com você. Desafiar a visão das pessoas já é ruim em tempos normais, e fica dez vezes pior quando somos desafiados em confinamento, sem ter para onde ir para evitar conflito.

Gratidão:
Nós nos acostumamos muito rápido com as coisas boas, especialmente aquelas que acontecem todos os dias em nossa casa. Nossa adaptação hedonística faz com que vejamos tudo que é bom rapidamente como normal e costumeiro, o que causa uma certa ingratidão da nossa parte. Agradeça ao seu marido quando ele lavar a louça, ou à sua mulher quando ela der banho nas crianças. Todos queremos nos sentir valorizados, especialmente em nossos lares. Lembre-se: quando nos sentimos valorizados pelos nossos atos, tendemos a repetí-los.

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750