Alguns motivos para você trabalhar no seu medo da rejeição

silhouette-315915_640

Ter medo de não ser honesto em certas situações é normal. Afinal, somos “criaturas tribais”: vivemos em grupos (trabalho, família, parceiro(a)), e ser aceito pelas pessoas que estão perto de nós é importante. Queremos ser bem vistos e queremos pertencer aos grupos. É uma questão não somente psicológica, mas biológica também. É só pensar nos homens das cavernas: aquele que for expulso do grupo não terá comida, não terá a chance de procriar, e também não terá segurança.

Apesar de realmente termos de nos ‘portar’ de uma maneira diferente do que gostaríamos às vezes, muitas pessoas levam isso ao extremo, criando conflitos internos e externos, ao invés de evitá-los. Pessoas que sempre dizem “sim” para pedidos de colegas e familiares quando realmente querem dizer “não”, e pessoas que nunca expõem seus pensamentos por medo de serem julgadas são bons exemplos disso. Eis alguns motivos para você trabalhar no seu medo da rejeição:

Exaustão:
Agradar a todos pode ser uma solução temporária, mas desgastante. Aceitar a todos os convites, ajudar a todos e realizar todos os pedidos das pessoas próximas drena a sua energia como uma esponja, especialmente quando são coisas que você realmente quer recusar, porém não tem coragem. Já percebeu como é muito mais difícil fazer algo que não queremos? Fazer isso o dia inteiro e todos os dias é impraticável. Na vida, temos que abrir mão de certas coisas, e certos favores devem ser feitos, é fato. No entanto, se você se vê arrastado para todos os caminhos menos para o seu, repense o seu comportamento com os outros. Lembre-se que por mais que você queira, é impossível agradar todo mundo. Você não é o guardião da felicidade das outras pessoas, mas você é responsável por sua própria felicidade.

Inautenticidade:
Concordar com tudo e com todos faz com que você omita a sua verdadeira personalidade, o seu verdadeiro “eu”. Assim como você vê quem está sendo falso com você, as pessoas irão perceber com o tempo que você não está sendo honesto com elas, independente de ser por um motivo ‘bom’ ou ruim. Um dia, a máscara cai, ela sempre cai, é apenas questão de tempo. Ser honesto nas suas opiniões e comportamentos abre uma porta para uma vulnerabilidade, isto é, a possibilidade de se machucar. No entanto, é essa mesma vulnerabilidade que é a chave para relacionamentos genuínos. Com uma “máscara social” você pode até evitar de se magoar, mas, por outro lado, não forma vínculo honesto e real com ninguém.

Perda de oportunidades:
Não expor suas ideias é a maneira perfeita de perder conexões e oportunidades, especialmente nos negócios. Já vi muitos pacientes com ideias boas, porém com um medo enorme de comunicá-las. Às vezes, ter uma opinião diferente do grupo pode abrir muitas portas, ou pelo menos criar caminhos para estas. Lembre-se que não há garantias de que a sua ideia será aceita, mas se você não colocá-la na mesa, você não apenas evita rejeições, mas também evita possíveis recompensas. O “não” já é garantido, pense nisso.

Relacionamentos tóxicos:
Ao se comportar de um modo que você não quer para agradar aos outros o tempo todo, cria-se uma raiva interna que acaba sendo passada, quer você queira ou não. Comportamentos passivo-agressivos, indiretas e elogios falsos são típicos nesse tipo de situação, o que, obviamente, desgasta qualquer relacionamento.

Falta de respeito:
Se você não se respeita, não espere que os outros te respeitem. O medo da rejeição facilita a criação de relacionamentos abusivos, pois quando não há limites, (acredite, muitas) pessoas avançam.

 

Lembre-se de que a vida é feita de erros e acertos. Quando não damos passos para nenhum lado, podemos até não errar, mas também não vamos acertar.

Para marcação de consultas (online ou presencial):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Advertisements

Quando pedir desculpas, siga essas regras

board-1500391_640

Como mencionei no post anterior, todos cometemos erros, especialmente com as pessoas mais próximas de nós. Logo, é apenas óbvio que, em mais cedo ou mais tarde, teremos de pedir desculpas a alguém.

Mas será que a sua desculpa tem valor?

Muitas pessoas distribuem “desculpas” como se fossem flores, apenas para repetir o erro novamente mais a frente. O ato de pedir perdão é como uma reconstrução da ponte entre você e o outro: se fizer um trabalho mal-feito, a ponte pode desmoronar. É a confiança que está em risco.

Sendo assim, é importante que o pedido seja honesto e consciente. Considere os pontos a seguir, antes de dar o importante passo:

Sinceridade:
Você realmente está arrependido(a)? Você entende como a outra pessoa foi afetada? Se você está apenas pedindo desculpas para se livrar de reclamações, seu pedido não é sincero.

Responsabilidade:
Você está assumindo a responsabilidade dos seus erros, ou está culpando algo ou alguém? A grande maioria das defesas e justificativas que vêm junto com um pedido de desculpas são para jogar a batata quente para outro lugar. Tenha isso em mente.

Foco:
É importante ser específico para si mesmo e para o outro em onde errou, para não cometer o mesmo erro novamente. Ser específico também mostra para a outra pessoa que você sabe exatamente o que fez de errado, e que não está pedindo desculpas “por qualquer coisa”.

Compromisso:
Como é que você pode evitar o mesmo problema no futuro? A resposta para essa pergunta deve ser encontrada e comunicada junto com o pedido.

Gratidão:
Lembre-se de agradecer por receber mais uma chance; elas nem sempre são concedidas. Faça esta valer.

Para marcação de consultas (online ou presencial):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Perdão, justiça, punição e relacionamentos

people-3163556_640

É apenas bom senso deixar pequenos erros dos outros de lado. Se irritar por coisas bobas é perda de tempo e de energia, além de possivelmente drenar nossos relacionamentos a longo prazo. Ninguém é perfeito, então é de se esperar que pessoas com quem convivemos nos aborreçam/magoem de vez em quando, assim como nós faremos o mesmo com elas. O que eu quero dizer é, uma roupa deixada no chão (ou qualquer coisa pequena que você queira imaginar aqui) uma vez não é motivo para brigar com o seu parente ou parceiro, nem motivo para deixar notinhas passivo-agressivas pela casa. Aliás, ser passivo-agressivo nunca é a solução para nada, mas essa conversa fica para outro dia.

No entanto, o que fazer quando se trata de transgressões graves?

O que fazer quando realmente sofremos após um ato grave feito por alguém que amamos? Após o erro, um desequilíbrio se instaura no relacionamento (não necessariamente amoroso) e, obviamente, precisamos tomar uma atitude perante isso. Muitas pessoas se perguntam o que fazer quando isso acontece: Devo apenas perdoar? Devo me vingar? Ou fazer tratamento de silêncio?

A resposta para essa pergunta é: nenhuma das opções anteriores.

Nessas situações de injustiça, podemos responder de várias formas:

1) Apenas perdoar, e acreditar que não acontecerá novamente.
2) Cometer um tipo de justiça punitiva. Exemplos: tratamento de silêncio, pagar na mesma moeda, humilhação virtual ou pública…
3) Aplicar a justiça restauradora.
4) Não perdoar e cortar os laços. É sempre uma opção (e, algumas vezes, a certa), mas não é o assunto deste texto. Logo, não vamos trabalhar no nº4.

Com isso em mente, vou colocar aqui uma situação, os exemplos de resposta e suas consequências:

Situação:

João e Maria são casados. Em um churrasco, Maria bebeu demais e “pagou mico”: falou demais (como a maioria dos bêbados fazem), e compartilhou detalhes íntimos sobre ela e seu marido. João se aborreceu, obviamente. Maria não tinha 15 anos e deveria controlar sua bebida. Além disso, ela não deveria falar detalhes íntimos sobre os dois sem falar previamente com ele. Ele a carregou para casa, e no dia seguinte ela não se lembrava muito do que tinha acontecido; já ele, se lembrava muito bem, e estava extremamente magoado.

João poderia responder das seguintes maneiras:

1) Fingir que nada aconteceu, ou apenas contar o que aconteceu e não falar sobre seus próprios sentimentos, como se não tivesse acontecido nada importante, perdoando o ato.
Obviamente, tomando essa decisão, João continuaria se sentindo magoado e injustiçado, talvez “acumulando raiva” para uma briga no futuro, o que poderia destruir o relacionamento eventualmente. Além disso, Maria não aprendeu nada nessa situação. Ela não viu nenhuma consequência em seu comportamento, deixando assim uma brecha para a repetição da bebedeira, o que, obviamente, pioraria o relacionamento do casal. Resumindo, isso seria danoso não somente para João, mas também para o casal.

2) Justiça punitiva: João poderia encher a cara no próximo churrasco, para sua esposa “sentir na pele” o que ele sentiu.
Dois problemas não criam solução, e sim um problemão. João pode até se sentir bem momentaneamente fazendo isso, mas não vai durar muito. A verdade é que nada foi resolvido, o ressentimento voltará, e não apenas para João, mas agora também para Maria, que ficará magoada com o comportamento de seu marido.

Outro exemplo de justiça punitiva: tratamento de silêncio.
João poderia não explicar nada e simplesmente não falar com Maria até ela pedir desculpas, ou até ele “perdoar” por si mesmo (o que voltaria para o caso 1). Sem ouvir o problema e os sentimentos de João, Maria pediria desculpas, mas nada garante que esse pedido seja honesto.

Na melhor das hipóteses, Maria teria aprendido a lição: teria se arrependido honestamente e não repetiria mais a bebedeira. Ela veria que magoou seu marido, e aprenderia com o seu erro.

No entanto, sem receber um feedback de seu marido, de como ele se sentiu, e o impacto que aquilo causou no relacionamento, Maria poderia muito bem achar o tratamento de silêncio uma atitude infantil e exagerada de João, pedindo desculpas apenas para amenizar as coisas. Isto é, haveria uma probabilidade de Maria não entender a gravidade da situação. Novamente, João pode se sentir bem com a “vingança” e com o pedido de desculpas de sua esposa (que pode muito bem ser um pedido de desculpas completamente vazio), mas não por muito tempo.

3) Justiça restauradora:
João não se sente confortável e não quer conversar por um tempo, o que é direito dele – afinal, ele está magoado. Porém, ao contrário da situação anterior, João senta com Maria no dia seguinte e expressa como se sentiu, algo como:
“Olha, eu não quero papo por um tempo. Você me magoou muito com o jeito que se portou ontem.” Prosseguindo com mais explicações, e mostrando como isso afetou o relacionamento, pedindo para que isso não aconteça novamente.

Ao escutar seu marido, Maria não tem dúvidas da gravidade do que aconteceu, e de como tudo isso causou um impacto em seu relacionamento com João. Uma via de comunicação saudável entre o casal abre mais possibilidade para um pedido de desculpas honesto de Maria, assim como uma solução real para o problema, ao invés de varrê-lo para debaixo do tapete. Se Maria for razoável, ela entenderá o problema e não repetirá o ato. Claro, tudo ainda está fresco na memória de João, e nada é perdoado imediatamente; ele tem todo o direito de continuar aborrecido por um tempo, é apenas natural. No entanto, expressando para sua esposa como se sentiu e com um pedido de desculpas sincero dela, o perdão será verdadeiro, e não algo que ficará corroendo no fundo de sua mente por tempo indeterminado.

Resumindo:

Nunca ache que a outra pessoa lê a sua mente. Uma comunicação aberta e honesta é essencial para a resolução real do problema. Se está com muita raiva no calor do momento, tudo bem: se afaste e depois converse com calma, explicando todos os pontos. Perdoar por perdoar não apenas cria um desequilíbrio no relacionamento (romântico ou não), mas também o torna tóxico. Além disso, deixar erros graves de lado faz com que a outra pessoa não veja a mesma seriedade destes, deixando-a mais propensa à repetição dos mesmos. Afinal, é necessário que esta veja o dano que causou para poder fazer um pedido de desculpas honesto e aprender com o erro. Por último, lembre-se que vingança pode parecer a melhor solução no calor do momento, mas elas são apenas temporárias. Elas fazem com que os problemas voltam depois, cada vez maiores, como uma bola de neve.

Para marcação de consultas (online ou presencial):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Proibição de melhores amigos?

Three-Best-Friends-Fingers-Art
Não sou psicóloga infantil (trabalho apenas com adolescentes e adultos), mas ao ler a notícia de que as escolas na Inglaterra estão basicamente banindo “melhores amigos”, minhas sirenes mentais começaram a soar e eu tive de criar este post. Essa nova ideia é  uma bela demonstração de algo que pode ser em soar benéfico para as almas inocentes, mas na realidade é exatamente o oposto disso.

Primeiramente, já foi provado cientificamente que melhores amigos são essenciais para uma infância saudável. É com o seu melhor amigo que você aprende a confiar e a dividir. Adultos que não possuem melhores amigos na infância tendem a crescer com mais ansiedade social do que crianças que tinham um amiguinho ou uma amiguinha especial.

Aprofundando um pouquinho no assunto da confiança, a sociedade dos pequenos é basicamente a mesma de nós adultos, e é nessa sociedade-miniatura que eles aprendem certos conceitos muito úteis para o futuro. Uma coisa que nós adultos sabemos muito bem é que não podemos confiar em todos os nossos “colegas”. Por isso mesmo, recorremos aos nossos amigos próximos. Quem nunca foi traído por uma fofoca de um coleguinha? Aprendemos na infância a selecionar os nossos amigos e apoiá-los, dando prioridade a estes comparado aos outros. Amizade, assim como confiança, se ganha, não se é dada na bandeja. O mundo não é bonito, e sempre haverão pessoas mal-intencionadas.

Além disso, precisamos mencionar que é justamente essa aceitação do grupo que ajuda a moldar certos comportamentos das crianças. Comportamentos inaceitáveis socialmente fazem algumas crianças “ficarem de fora”, e, ao perceberem isso, elas podem se corrigir. Isso é extremamente importante para a sociedade: existem coisas que você não pode fazer no mundo, e essas coisas vão afastar as pessoas de você. Percebam que não estou falando de bullying – o que é completamente condenável – mas sim de um afastamento natural daquele amiguinho que faz coisas desagradáveis.

Vou dar um exemplo:

Sabe aquele amiguinho que ficava cutucando o nariz ou passando a mão em lugares impróprios? Pois é, outras crianças geralmente se afastam porque não é legal nem adequado – e não é mesmo! Existem motivos para esse afastamento. Com o afastamento, essa criança vai entender que o seu comportamento é errado, e vai tentar modificá-lo. A noção de que existem expectativas sociais é extremamente importante.

Além disso, o que vai acontecer se forçarem os coleguinhas a serem “amiguinhos” desse menino do exemplo? Não somente esse mocinho não vai se corrigir, mas as crianças vão ficar ainda mais irritadas por terem de sentar com o garoto. Logo, o garoto perde não somente por uma, mas por duas formas:
-Ele não vai se corrigir, logo, continuará com o comportamento socialmente inadequado, gerando problemas na vida adulta.
-Ele vai ser ainda mais isolado dos amigos, já que o amiguinho que for forçado a sentar com ele vai ter sentimentos ainda mais negativos sobre o menino. Afinal, quem é que ganha amigos por força? Ninguém.

Existem dez mil maneiras de aumentar a interação entre crianças, e banir um laço extremamente fundamental para o desenvolvimento NÃO é uma delas.

Por último, e o ponto que eu considero mais preocupante é:

Que sociedade é essa que estamos criando? Banir melhores amigos e proibir de amigos mais próximos sentarem juntos no ônibus da escola? Que mundo fascista que estamos criando para que “todos se sintam aceitos” a todo o custo? Deixo essas perguntas para a sua reflexão.

Para marcação de consultas (online ou presencial):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Término de amizade

friends-589830_1280

Todos passamos por um momento em que um amigo se afastou e a amizade deixou de existir. Sentimos tristeza, raiva e ciúmes, especialmente se o ex-amigo começou a andar com outra pessoa.

É curioso como, mesmo tendo esse vínculo todo com alguém (às vezes até maior que um vínculo amoroso), a quebra de uma amizade, no ponto de vista social, não é importante. Dizemos muitas vezes a nós mesmo que não deveria doer tanto. Ligue para alguém para chorar porque rompeu um relacionamento amoroso e receberá compaixão; o mesmo não é tido caso ligue para chorar por causa de uma perda de amizade. É algo cultural: filmes mostram o tempo inteiro o valor do amor romântico, e grande parte das músicas são sobre corações despedaçados ou amor romântico em geral. A amizade vem muito, mas muito atrás.

Apesar de perdas de amizades não incluem diminuição/perda de atividade sexual (pelo menos em geral), o sentimento primário é basicamente o mesmo: “Ele(a) não me quer mais”. Não importa o tipo de relacionamento, não ser mais desejado por alguém dói.

Voltando aos filmes e às idéias (que afetam demais a gente)… A maioria dos filmes passa a idéia de que amizades fortes são eternas. Agora pare e pense quantos ‘melhores amigos’ seus , desde a sua infância (ou desde quando apareceram na sua vida) permancem sendo seus melhores amigos? Quantos desses estão aí por décadas? Eles existem, mas com toda certeza não são os mais comuns.

A verdade é que amizades passam pelos mesmos problemas de relações amorosas: há desentendimentos, decepções, traições, e o efeito do tempo. O tempo faz com que mudemos, e nem sempre essa mudança bate com a mudança do(a) amigo(a), causando afastamento. Precisamos adicionar aqui que, além disso tudo, como a relação amorosa é tão mais valorizada que a de amizade, acabamos muitas vezes não dando o valor devido aos nossos amigos, o que também causa um distanciamento, que, muitas vezes, poderia ser evitado.

Portanto, em relação à amizades perdidas (e sem volta, pelo menos temporariamente) é o caso de aceitação: Aceitar que o tempo passa e que as situações e as pessoas mudam. E quanto às amizades de agora, dê a atenção que elas merecem, e evite perdas desnecessárias.