Devo mencionar divórcio?

divorce-619195_640

Infelizmente, divórcios acontecem. Casais que construíram um lar, possivelmente criaram filhos, negócios e bens, que nunca pensaram que iriam romper, muitas vezes rompem. É triste, e o mais triste de tudo é que muitas vezes esse divórcio poderia ser evitado.

Não estou querendo fazer com que ninguém anuncie a possibilidade de um divórcio no primeiro momento que isso passar pela mente, numa briga, como muitos fazem – até porque isso não é assunto para ser trazido à tona de cabeça quente. É um assunto que deve ser discutido com calma. Muitas pessoas mencionam divórcio em todas as brigas que têm com o parceiro, e, claro, como aquela história do ‘garoto que gritava lobo’, o assunto perde a seriedade, e a ‘ameaça’ de um divórcio vira uma fala ensaiada sem valor algum.

No entanto, no consultório, vejo muitos pacientes que vêm para a terapia quando o dano já está feito, quando já é tarde demais para qualquer tentativa de conserto. A falta de comunicação apropriada é um problema grave em uma grande parcela dos relacionamentos. Comunicar que está considerando o divórcio antes de dar o “ponto final” é essencial. Aqui estão alguns motivos:

-É importante comunicar ao marido/esposa fatos importantes sobre a relação. O parceiro tem direito de saber do desejo, para pensar na situação. A decisão final de divórcio não aparece do nada, e até o momento em que se anuncia o tal, a idéia já se passou mil vezes na cabeça de um dos parceiros, enquanto muitas vezes o outro não sabe de nada. É injusto atacá-lo com um golpe final sem ele ter a mínima idéia do que está acontecendo.

-Quando o parceiro é comunicado sobre a gravidade da situação, ele tem maiores chances e motivação para mudar, e demonstrar o quão disposto (ou não) está para fazer algo para salvar o relacionamento.

-Falar sobre o divórcio, conversar com o seu parceiro, não somente irá fazê-lo pensar sobre isso, mas também fará você pensar mais claramente sobre o assunto.

Caso não consiga se expressar com facilidade em relação ao assunto, a terapia de casal é um bom lugar para a conversa fluir, com a ajuda do terapeuta. Não deixe a terapia para o último momento, quando o divórcio já for final.

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Está no momento de terminar o relacionamento com o seu parceiro?

blog
(fonte: pixabay.com)

Relacionamentos nunca são perfeitos – aliás, muitas vezes, eles não chegam nem perto disso, sendo verdadeiras tempestades (ou “montanhas-russas”), onde em um momento está tudo ótimo, e em outro você pensa que tudo deve terminar naquele momento.

Calma.

A primeira coisa que você tem que ter em mente é que decisões feitas com a cabeça quente geralmente não são as melhores. Se dê um tempo para refletir sobre tudo, e deixo para você as seguintes perguntas:

O que VOCÊ pode fazer para melhorar o relacionamento? Você já está fazendo tudo o que pode? Você quer, de fato, fazer tudo o que pode?

Você está feliz consigo mesma(o)? O problema é você ou é o seu parceiro? Você está esperando que o seu parceiro preencha um vazio que ninguém, apenas você, pode preencher? Às vezes culpamos nossos parceiros pela nossa infelicidade, quando o problema está em nossa autoestima, por exemplo. Pare para examinar de onde vem a causa do problema, e se você está tentando usar seu parceiro como “remédio para tudo”. Colocar uma responsabilidade tão grande nos ombros de uma pessoa é, além de injusto, impossível de dar certo.

O seu parceiro adiciona coisas (boas, claro) na sua vida, ou subtrai? Claro, algumas (muitas) vezes pode haver uma subtração – mas essa subtração é pequena, comparada às coisas boas que seu parceiro te traz? Faça uma lista. Ponha todos os pontos positivos e os negativos e veja se o relacionamento está valendo a pena.

Imagine a seguinte situação: Imagine um filho seu, ou talvez uma melhor amiga, com um parceiro como o seu. Você gostaria que eles estivessem nessa situação? Se não, por que você deveria estar em uma relação como a sua?

Você ficaria mais feliz sozinha(o)? Pare e reflita como seria sua vida caso não estivesse com o seu parceiro. Sua vida seria melhor? Do quê você sentiria falta? Se você já está se imaginando por aí solteira(o), talvez seja o momento de terminar a relação.

Novamente, tome todo o tempo necessário para refletir. Antes demorar para chegar à uma conclusão do que ir na pressa e se arrepender. O importante é estar pronto, seja para qual caminho for.

Paula Monteiro
Psicóloga Clínica

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750