Quando só você luta pelo relacionamento: o parceiro solitário

wolf-3158282_1920

Um relacionamento deveria, pelo menos em teoria, ser um envolvimento e um esforço mais ou menos igual de ambos os parceiros. No entanto, a gente sabe que o famoso “deveria” quase sempre não é a realidade.

É muito comum aparecerem no meu consultório pessoas que realmente querem salvar o relacionamento ou o casamento, que estão dispostas a negociar e resolver os problemas existentes naquele microcosmo. Só que, muitas vezes, depois de algumas tentativas de negociação frustradas e se vendo em risco de perderem o parceiro difícil, começam a simplesmente aceitar uma desigualdade na invisível (porém de extrema importância) balança do relacionamento. A velha frase “um peso, duas medidas” começa a ecoar todos os dias. E a balança fica mais e mais pesada para um dos lados. Um grande perigo mora na frase “decidi me calar e aceitar”.

A verdade é que essa aceitação de injustiça, por mais que seja feita com boas intenções, acaba destruindo ainda mais a possibilidade desse relacionamento sobreviver, pelo menos em um nível aceitável. Uma coisa muito comum é o nascimento de um ressentimento por parte do lado da pessoa que quer salvar o relacionamento a todo custo. Por mais que a pessoa diga a si mesma que aceita o que está acontecendo, sua mente aos poucos vai colocando tudo o que está fazendo em uma espécie de caderneta de dívidas. Conscientemente, podemos aceitar a situação e tentar racionalizá-la, que “é para o futuro do casal”. Mas algo lá atrás, lá no fundo da mente clama por justiça. E aos poucos começam a surgir pequenos atos passivo-agressivos, pequenas birras, até descontroles emocionais aqui e alí. Os sorrisos começam a azedar. Os olhares começam a tender para a indiferença. Na frente de um parceiro que já não quer negociar, geralmente isso é visto como mais munição para injustiça.

A verdade é que aceitar tudo para um bem temporário não adianta de nada. Você está alimentando o comportamento de um parceiro que não vê o seu lado, e também está destruindo lentamente ainda mais o relacionamento com a raiva (justificável) que lhe toma por dentro. O parceiro que não quer negociar se vê ainda mais confortável com a situação, pois você parou de lutar por um equilíbrio. Sendo assim, o se calar para o bem do relacionamento se torna um ciclo, que só aumenta na toxicidade. Você não está gostando da situação e aturando de “boca calada” para salvar um relacionamento que, sem conversa, não irá melhorar. Então, pense: se calar por quanto tempo? E por quê? O que você realmente ganha com isso?

Claro, nada impede de um parceiro finalmente ver o seu lado e consertar os erros. Às vezes isso toma tempo e milhões de pequenos passos, e muitas vezes até a terapia de casal se vê necessária. Mas o que podemos falar dos casos que não são os de sucesso? Quando tudo possível já foi tentado, e nada melhorou?

Talvez seja o momento de você se questionar:

Se houvesse um equilíbrio, que é exatamente o que você tanto procura, será mesmo que essa pessoa ainda estaria interessada em estar com você? Será que não é justamente por causa de ela ser a pessoa com todos os benefícios que ela ainda está nesse relacionamento? E se for esse o caso? Você não estaria num relacionamento com uma pessoa que não te respeita?

E, se você está em um relacionamento com alguém que não te respeita, por que fica? Por que fica, mesmo sabendo que nada vai melhorar, e que nada será de peso igual para as duas partes do relacionamento? Por que fica, sabendo que a frustração não é temporária, e que você está tentando aceitar injustiça como uma nova forma de vida? Será que não há um medo da solidão? De tentar mais uma vez, com uma pessoa nova? Ou será que é justamente o seu padrão de relacionamentos criado na sua infância que te faz ficar em um relacionamento infeliz, tentando mudá-lo? Claro, essas perguntas podem e devem ser trabalhadas na terapia.

Lembre-se que relacionamento saudável significa duas pessoas que se gostam e querem o bem uma da outra. Querem trazer felicidade para o outro. Quando o outro vê que você está infeliz e que o relacionamento está injusto, porém essa pessoa se vê muito confortável na situação dela, será que é esse o relacionamento que você merece? Uma relação de apenas uma via? Cadê o seu valor?

Para marcação de consultas (online ou presencial em Petrópolis):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Sexo: perguntas que você precisa fazer ao seu parceiro antes do casamento

wedding-1745240_640

Por mais que um casamento seja muito mais do que sexo, relacionamentos íntimos são importantes para a manutenção de um. Na clínica, vejo muitos dos meus clientes com problemas que poderiam ter sido evitados caso uma conversa tivesse sido tida com seus parceiros antes de “fechar o contrato”. A falta de verdadeira intimidade com seu parceiro pode criar sérios problemas no futuro, inclusive o divórcio. Portanto, antes de tomar o próximo passo, veja se esses assuntos já foram discutidos:

Você possui alguma fantasia sexual? Preferências?
Apesar de nem todos os parceiros possuírem fantasias, considere também as preferências sexuais em geral neste mesmo tópico. Quando os parceiros estão no começo de um relacionamento, é comum esconder maiores intimidades, que geralmente aparecem aos poucos. No entanto, às vezes o assunto é importante e não é discutido por vergonha, o que pode levar à frustração em longo prazo. Um exemplo aqui são os fetiches: e se o seu parceiro tiver um? Isso precisa ser conversado, e um acordo que seja satisfatório para os dois precisa ser encontrado.

Você gosta de sexo? De quanto em quanto tempo você acha uma periodicidade saudável?
No começo do relacionamento muitos parceiros exageram na quantidade, seja para agradar o parceiro ou porque acha que é o certo. Algumas pessoas sequer se importam com o ato, e só fazem porque “faz parte”. Uma pessoa que quer ter relações uma vez ao ano terá problemas com uma outra que quer ter cinco vezes ao dia. Isso tudo deve ser conversado. Não existe uma periodicidade ideal, e sim uma periodicidade que agrade a ambos.

Você possui algum problema sexual que eu não sei?
Disfunções seja por depressão ou qualquer outro motivo precisam ser mencionados, assim como qualquer problema genital. Traumas sexuais também precisam ser conversados, seja em particular ou junto com um terapeuta.

Você quer ter filhos?
É uma pergunta que não tem a ver com sexo, mas tem a ver com o resultado do ato. Quais são as expectativas de cada um para o futuro? Vocês dois querem filhos? Se sim, quantos? Qual seria o método de criação? Se não, vocês sempre usarão algum contraceptivo? Se sim, qual? Seu parceiro tem algo contra camisinha? Essas perguntas precisam ser respondidas para evitar brigas ou surpresas no futuro.

Como foram os seus relacionamentos anteriores?
Não podemos dizer que pessoas que já traíram sempre trairão, mas se o seu parceiro teve cinco relacionamentos e em todos eles houve traição por parte dele, interprete isso como um mau sinal. Não somente traição, mas qualquer tipo de repetição deve ser levado em conta: abandono, falta de interesse, raiva, etc.

Por último, lembre-se que não existem casais perfeitos e 100% compatíveis, e sim pessoas dispostas a negociar e a chegar em um acordo que agrade a ambos. A ideia de que qualquer diferença pode ser eliminada apenas no convívio é muito bonita, mas é uma ilusão. Muitas diferenças podem ser eliminadas sim, porém há a necessidade de saber se existe um caminho para isso, se os dois estão dispostos a negociar e o quanto estão dispostos a ceder.

Para marcação de consultas (online ou presencial):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Devo mencionar divórcio?

divorce-619195_640

Infelizmente, divórcios acontecem. Casais que construíram um lar, possivelmente criaram filhos, negócios e bens, que nunca pensaram que iriam romper, muitas vezes rompem. É triste, e o mais triste de tudo é que muitas vezes esse divórcio poderia ser evitado.

Não estou querendo fazer com que ninguém anuncie a possibilidade de um divórcio no primeiro momento que isso passar pela mente, numa briga, como muitos fazem – até porque isso não é assunto para ser trazido à tona de cabeça quente. É um assunto que deve ser discutido com calma. Muitas pessoas mencionam divórcio em todas as brigas que têm com o parceiro, e, claro, como aquela história do ‘garoto que gritava lobo’, o assunto perde a seriedade, e a ‘ameaça’ de um divórcio vira uma fala ensaiada sem valor algum.

No entanto, no consultório, vejo muitos pacientes que vêm para a terapia quando o dano já está feito, quando já é tarde demais para qualquer tentativa de conserto. A falta de comunicação apropriada é um problema grave em uma grande parcela dos relacionamentos. Comunicar que está considerando o divórcio antes de dar o “ponto final” é essencial. Aqui estão alguns motivos:

-É importante comunicar ao marido/esposa fatos importantes sobre a relação. O parceiro tem direito de saber do desejo, para pensar na situação. A decisão final de divórcio não aparece do nada, e até o momento em que se anuncia o tal, a idéia já se passou mil vezes na cabeça de um dos parceiros, enquanto muitas vezes o outro não sabe de nada. É injusto atacá-lo com um golpe final sem ele ter a mínima idéia do que está acontecendo.

-Quando o parceiro é comunicado sobre a gravidade da situação, ele tem maiores chances e motivação para mudar, e demonstrar o quão disposto (ou não) está para fazer algo para salvar o relacionamento.

-Falar sobre o divórcio, conversar com o seu parceiro, não somente irá fazê-lo pensar sobre isso, mas também fará você pensar mais claramente sobre o assunto.

Caso não consiga se expressar com facilidade em relação ao assunto, a terapia de casal é um bom lugar para a conversa fluir, com a ajuda do terapeuta. Não deixe a terapia para o último momento, quando o divórcio já for final.

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Tentado a trair? Pare e pense antes

Não estou aqui para julgar ninguém. Todos sabemos que traição não é a melhor decisão do mundo. O texto que escrevi anteriormente me fez querer focar esse texto em algo que vejo repetidamente na clínica: A traição, e como você pode estar enganando não apenas o seu parceiro, mas você também.

No texto anterior tratei de paixão dentro do relacionamento oficial, e como ele declina com o tempo, o que é natural, e citei as causas. Também mencionei que é justamente quando essa paixão sofre uma queda que a traição pode vir a ocorrer. No entanto, os parceiros que traem nem sempre estão muito cientes do que está ocorrendo com eles mesmos, e como a paixão pode enganar uma pessoa.

Vamos por partes:

A maioria das pessoas que traem não amam as pessoas com quem elas tem um caso. Falei sobre o mistério de uma pessoa nova no post anterior, e também de como toda essa situação de “amor” proibido causa uma liberação de neurotransmissores (dopamina). E também falei sobre a idealização de um ser que a gente não tem ou conhece por completo. Pois é, tudo cabe aqui. O que vejo muito é que as pessoas estão apaixonadas não pela pessoa com quem elas estão tendo um caso, mas sim com uma figura idealizada dessa. Toda pessoa nova traz sentimentos fortes que fazem com que pensemos que ela que é o amor da nossa vida. Com o tempo, alguns pulam para um outro caso, porque viram que não é aquilo que estão procurando, somente para cair em outro jogo com o desconhecido, que libera novas sensações fortes, e por aí vai.

Além da idealização, há uma questão de alimentar o “ego”, já que a outra pessoa também te idealiza, então toda essa atenção faz a gente se sentir especial. A maioria das pessoas que entram em uma relação extraconjugal se sentem especiais (afinal, para que um caso com alguém para se sentir menos especial?), e sentem que estão recebendo mais atenção.

O que eu quero dizer com tudo isso é que a maioria das pessoas que acabam tendo um relacionamento extraconjugal não estão amando a nova pessoa, mas sim o que está ocorrendo com elas mesmas. Muitas vezes é uma questão interna, de validação e autoestima. Portanto, antes de ceder às tentações, ou até mesmo caso já esteja em uma relação fora do casamento, considere em consertar o relacionamento por terapia individual ou de casal.

Paula Monteiro
Psicóloga Clínica
psicologapaulamonteiro @ gmail.com
(21) 99742-7750