Quando só você luta pelo relacionamento: o parceiro solitário

wolf-3158282_1920

Um relacionamento deveria, pelo menos em teoria, ser um envolvimento e um esforço mais ou menos igual de ambos os parceiros. No entanto, a gente sabe que o famoso “deveria” quase sempre não é a realidade.

É muito comum aparecerem no meu consultório pessoas que realmente querem salvar o relacionamento ou o casamento, que estão dispostas a negociar e resolver os problemas existentes naquele microcosmo. Só que, muitas vezes, depois de algumas tentativas de negociação frustradas e se vendo em risco de perderem o parceiro difícil, começam a simplesmente aceitar uma desigualdade na invisível (porém de extrema importância) balança do relacionamento. A velha frase “um peso, duas medidas” começa a ecoar todos os dias. E a balança fica mais e mais pesada para um dos lados. Um grande perigo mora na frase “decidi me calar e aceitar”.

A verdade é que essa aceitação de injustiça, por mais que seja feita com boas intenções, acaba destruindo ainda mais a possibilidade desse relacionamento sobreviver, pelo menos em um nível aceitável. Uma coisa muito comum é o nascimento de um ressentimento por parte do lado da pessoa que quer salvar o relacionamento a todo custo. Por mais que a pessoa diga a si mesma que aceita o que está acontecendo, sua mente aos poucos vai colocando tudo o que está fazendo em uma espécie de caderneta de dívidas. Conscientemente, podemos aceitar a situação e tentar racionalizá-la, que “é para o futuro do casal”. Mas algo lá atrás, lá no fundo da mente clama por justiça. E aos poucos começam a surgir pequenos atos passivo-agressivos, pequenas birras, até descontroles emocionais aqui e alí. Os sorrisos começam a azedar. Os olhares começam a tender para a indiferença. Na frente de um parceiro que já não quer negociar, geralmente isso é visto como mais munição para injustiça.

A verdade é que aceitar tudo para um bem temporário não adianta de nada. Você está alimentando o comportamento de um parceiro que não vê o seu lado, e também está destruindo lentamente ainda mais o relacionamento com a raiva (justificável) que lhe toma por dentro. O parceiro que não quer negociar se vê ainda mais confortável com a situação, pois você parou de lutar por um equilíbrio. Sendo assim, o se calar para o bem do relacionamento se torna um ciclo, que só aumenta na toxicidade. Você não está gostando da situação e aturando de “boca calada” para salvar um relacionamento que, sem conversa, não irá melhorar. Então, pense: se calar por quanto tempo? E por quê? O que você realmente ganha com isso?

Claro, nada impede de um parceiro finalmente ver o seu lado e consertar os erros. Às vezes isso toma tempo e milhões de pequenos passos, e muitas vezes até a terapia de casal se vê necessária. Mas o que podemos falar dos casos que não são os de sucesso? Quando tudo possível já foi tentado, e nada melhorou?

Talvez seja o momento de você se questionar:

Se houvesse um equilíbrio, que é exatamente o que você tanto procura, será mesmo que essa pessoa ainda estaria interessada em estar com você? Será que não é justamente por causa de ela ser a pessoa com todos os benefícios que ela ainda está nesse relacionamento? E se for esse o caso? Você não estaria num relacionamento com uma pessoa que não te respeita?

E, se você está em um relacionamento com alguém que não te respeita, por que fica? Por que fica, mesmo sabendo que nada vai melhorar, e que nada será de peso igual para as duas partes do relacionamento? Por que fica, sabendo que a frustração não é temporária, e que você está tentando aceitar injustiça como uma nova forma de vida? Será que não há um medo da solidão? De tentar mais uma vez, com uma pessoa nova? Ou será que é justamente o seu padrão de relacionamentos criado na sua infância que te faz ficar em um relacionamento infeliz, tentando mudá-lo? Claro, essas perguntas podem e devem ser trabalhadas na terapia.

Lembre-se que relacionamento saudável significa duas pessoas que se gostam e querem o bem uma da outra. Querem trazer felicidade para o outro. Quando o outro vê que você está infeliz e que o relacionamento está injusto, porém essa pessoa se vê muito confortável na situação dela, será que é esse o relacionamento que você merece? Uma relação de apenas uma via? Cadê o seu valor?

Para marcação de consultas (online ou presencial em Petrópolis):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Origens da codependência

heart-700141_1920

Quando falamos de codependência, muitos pensam que o termo está sempre associado à uma pessoa emocionalmente ligada a um dependente químico, seja essa dependência química o álcool ou drogas ilícitas. Logo, quando menciono o codependência no consultório, dúvidas surgem: como eu posso ser codependente? Não existe abuso de substâncias na minha casa.

A verdade é que o termo, na época que fora criado, era especificamente relacionado ao abuso de substâncias. No entanto, hoje sabemos que a codependência pode existir em qualquer relacionamento com pessoas emocionalmente manipuladoras. Mas a dúvida persiste: por que algumas pessoas se tornam codependentes e outras não? Por que codependentes geralmente pulam de um relacionamento tóxico para outro?

Assim como muitos outros problemas e padrões que trabalhamos no consultório, a codependência tem suas raízes na infância. Codependentes nascem em lares instáveis, onde há manipulação emocional e onde o amor é condicional. Isto é, se a criança não agir da maneira perfeita, ela sofrerá abandono e/ou abuso.

A criança em um lar assim cresce aprendendo a controlar e vigiar o humor de seus pais e abandonar sua verdadeira identidade, seu verdadeiro eu, para agradá-los. É uma questão de sobrevivência – afinal, toda criança precisa de um cuidador. Sendo assim, aprende a “dançar a dança” do manipulador, transformando sua própria vida em um teatro, onde ela está sempre bem, ou melhor, finge estar. Resumindo: é aprendido na infância que, para obter afeto, é preciso ser “perfeito” para o outro, de acordo com o que esse outro considerar perfeição. Tudo gira em torno do cuidador, que molda o gosto e a personalidade da criança, pelo menos em um nível superficial, dando em troca disso tudo uma pequena dose de afeto condicional, que a criança tanto necessita.

Esse padrão de abdicar-se de si mesmo para agradar o outro a qualquer custo continua após a infância, podendo ser visto especialmente em relacionamentos amorosos. Afinal, é o que aprendemos no passado que vira a nossa regra interna. É o tipo de amor que ganhamos na infância que geralmente procuramos no futuro; não por ser saudável, mas por ser o conhecido. Sendo assim, uma criança que nasceu e cresceu em um lar com narcisistas pode se ver entrando em relacionamentos com pessoas parecidas, e recusando relacionamentos e até mesmo amizades com pessoas mais saudáveis. O conforto do conhecido, mesmo que ruim, pode ser melhor (a curto prazo) do que o desconhecido. Sendo assim, codependentes correm o risco de largarem um manipulador emocional para irem para outro, gerando assim um ciclo de altos e baixos e infelicidade.

Na terapia, o codependente aprende a quebrar o ciclo de abuso e também aprende a procurar (e lidar com) formas mais saudáveis de relacionamento (amorosos ou não), onde o seu eu pode existir e é aceito.

Para marcação de consultas (online ou presencial em Petrópolis):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750
(24) 98187-4040

O amor não é cego, mas gosta de ser enganado.

ryoji-iwata-474369-unsplash

Tem muita gente que sabe que está sendo enganada. Já outros, apenas desconfiam. Por último, tem uns que sequer percebem sinais de alerta (que às vezes estão mais para sirenes vermelhas gritantes) no relacionamento, e se surpreendem quando este termina de forma trágica. Aí, depois de a bomba explodir, essas pessoas olham para trás e se perguntam estarrecidos como não perceberam tudo o que estava acontecendo por meses/anos, e sentem como se uma grande venda invisível fosse retirada dos olhos depois de muito tempo de enganação.

Você já passou por isso?

Quase todos nós já passamos por situação semelhante, portanto, não precisa se envergonhar. Existem muitas explicações para essas “cegueiras do amor”, e hoje vou falar de duas que são bem comuns:

Intimidade:
Quando conhecemos bem uma pessoa, geralmente sabemos quando ela está mentindo. A mentira causa um estresse mental, que faz com que o nosso comportamento mude quando falamos algo que não é verdade. Logo, quanto mais conhecemos uma pessoa, mais sabemos as suas “caras e bocas” normais. Por outro lado, se essa pessoa for uma mentirosa “profissional” o jogo pode virar: por te conhecer bem também, ela vai saber quando você está suspeitando da mentira. Pessoas que mentem muito tendem a pegar esses sinais de suspeita e se adaptar a eles. Além disso, o estresse cognitivo causado pela mentira diminui com a prática do ato. Mentir é uma “habilidade” como qualquer outra, então quanto mais se mente, mais natural e mais fácil fica mentir, justamente pela diminuição do nível de estresse pela prática.

Dissonância cognitiva:
Muitas vezes não queremos ver o que está gritante de óbvio simplesmente porque a verdade não é conveniente para nós. Quando gostamos de alguém, fazemos de tudo para manter uma imagem impecável desta pessoa. Então, quando algo errado aparece, tendemos a diminuir a importância deste detalhe ou nos cegar ao fato completamente, pois essa “mancha” na imagem do amado causa a chamada dissonância cognitiva. A dissonância cognitiva é um “desconforto mental” causado por duas ideias ou valores que são contraditórios. Fazemos isso com muitas coisas e pessoas em nossa vida, inclusive com o nosso amado(a). Na terapia, a dissonância cognitiva é muito trabalhada (ou encarada).

Independente de como e do motivo de você ter sido enganado, é bom lembrar que a culpa nunca é sua por ter acreditado em seu parceiro. Jogar o peso da situação para si não é a solução. Um dos mais importantes trabalhos da terapia é justamente abrir nossos olhos para situações que podemos mas não queremos ver, evitando assim situações semelhantes no futuro.

Para marcação de consultas (online ou presencial em Petrópolis):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750
(24) 98187-4040

Mais do que apenas aturar

girl-1562025_1280
(pixabay.com)

Meninas são ensinadas desde cedo a serem agradáveis e “boazinhas”.  Ser amiga de todos e não criar conflitos é mais importante para as mulheres do que para os homens. Aprendemos desde cedo a sermos comportadas e a fazermos de tudo o possível para sermos bem-vistas. Isso pode ser uma tática de socialização, mas pode vir com um preço bem caro quando nos envolvemos em relacionamentos tóxicos.

Essas mesmas mulheres que, quando meninas, queriam agradar a todos, podem crescer sem voz em um relacionamento – mulheres que fazem tudo para agradar o parceiro, dando o máximo de si, para pessoas que não lhe dão o retorno desejado.

Muitas vão para a clínica e reclamam da situação. Quando questionadas sobre o que estão fazendo a respeito, se calam – afinal, mulheres que reclamam “chateiam” – ou é assim que muitas pessoas pensam. Arranjam desculpas como “um dia ele verá meu valor” ou “ele não mostra, mas sei que gosta de mim” para não terem que tomar uma atitude.  Essas acabam sofrendo caladas, para não perderem o relacionamento que têm com seu namorado/marido/companheiro. Mantêm uma relação… Mas a que custo? O preço é alto. Alto demais. Não deveria ser pago.

A verdade é que comunicação é essencial em um relacionamento, e ambas as partes devem ter seus desejos emocionais e físicos realizados. As necessidades devem ser conversadas, e, um parceiro que é incapaz de ouvir não é um parceiro bom o suficiente. Homens maduros emocionalmente preferem ouvir o que suas mulheres querem. E se suas necessidades também não puderem ser atendidas pelo mesmo, considere isso um sinal de incompatibilidade. Pare de criar desculpas para sustentar um relacionamento desequilibrado.

Pense em você, nas suas necessidades e no porquê de você estar aceitando relacionamentos com parceiros que não são bons para você. Você merece e pode ser feliz.Você merece mais do que apenas aturar.

Paula Monteiro
Psicóloga Clínica

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Amor, paixão e romance

heartsickness-428103_640

Já escrevi aqui sobre como nós mudamos conforme o relacionamento caminha, e como começamos a desvalorizar as pequenas coisas. No entanto, gostaria de aprofundar esse tópico, agora fazendo uma comparação entre amor, paixão e o romance.

Quando nos apaixonamos por alguém, muitas vezes dizemos que foi “amor à primeira vista”. Eu diria que foi paixão à primeira vista, e que, com sorte, virou ou poderá virar um amor.

Aquele êxtase que sentimos quando nos apaixonamos, por mais que sonhemos que com a pessoa certa será eterno, não será. Não estou falando dos sentimentos amorosos, mas sim daquela paixão forte, que derruba a gente como uma onda gigante. Essa onda, inevitavelmente irá diminuir. Pode não quebrar e sumir, mas com toda certeza diminuirá.

Aí você me pergunta: Mas por quê? Por que o romance sempre diminui com o tempo? O romance CONSUMIDO sempre diminui com o tempo porque o “barato”, aquela sensação forte que sentimos é dada pela incerteza da continuidade desse romance e pelo fato de o seu “objeto de adoração” ser ainda não completamente conhecido. Curiosamente, a única forma de manter um romance tão forte eternamente é em um amor não-correspondido, seja a pessoa próxima ou até mesmo um ídolo/celebridade.

“If only the strength of the love that people feel when it’s reciprocated could be as intense and obsessive as the love that we feel when it’s not, then marriages would be truly made in heaven” – Ben Elton

(Tradução não-literal: Se a força de um amor que as pessoas sentem quando é correspondido fosse tão intenso e obsessivo quanto um amor que sentimos quando não é, casamentos seriam perfeitos)

Infelizmente, conforme conhecemos nosso parceiro, isto é, o romance vai sendo consumado, nosso êxtase diminui. Deixamos de ver nosso parceiro como uma pessoa perfeita, idealizada, e passamos a vê-lo como uma… pessoa. Quando a “caça” cessa, e o relacionamento se torna estável, tudo muda, incluindo os hormônios. A “onda” da dopamina cede e abre espaço pra ocitocina, agora sim, o hormônio do amor. Os laços se tornam reais e não idealizados. A paixão ardente se torna um lugar seguro e confortável (quando o relacionamento é saudável, claro)… Mas infelizmente nem todos nós conseguimos ver essa mudança como algo positivo, e por motivos óbvios: além dos sentimentos de êxtase de um “amor” novo serem muito bons, a mídia retrata desde sempre paixão como amor.

Vamos voltar um pouco no tempo: No romantismo, como era retratado o “amor”? A mulher era um objeto idealizado, distante. Pense em Romeu e Julieta; o amor deles era amor adolescente, com muitas barreiras, e nunca puderam realmente viver uma vida em casal. Com toda certeza, a história seria diferente se eles tivessem se casado e a história seguisse por mais dez anos.

E nos filmes de hoje? E nas séries? O que podemos ver de “amor”? Geralmente é o encontro de duas pessoas, elas se conhecem e geralmente os filmes terminam em o quê? Em casamento, que seria a conclusão desse período de êxtase, de mistérios, surpresas, de inseguridade e de idealização. Há uma clara desvalorização e confusão sobre o tema amor. As pessoas acreditam que o êxtase durará para sempre, e que esse êxtase (ou as famosas borboletas no estômago) é o maior sinal de amor.

Então, o que acontece na vida real por causa desses exemplos tão não realistas de amor? Quando a paixão cessa e o amor de verdade, que a vida real em dois, se instala e se estabiliza, muitas pessoas acreditam que o relacionamento está morrendo, ou que até o parceiro perdeu o interesse. É nesse momento que o perigo de uma traição mais aparece, justamente porque uma pessoa nova sempre trará mais êxtase (novamente, temporário) que um parceiro atual, por ser uma pessoa não completamente conhecida, um ambiente em que o amor é proibido (adultério).

Em textos futuros falarei sobre como trazer o fator surpresa de volta ao relacionamento. Mas isso não é a cura para a idealização do amor, é apenas uma ajuda dar uma sacudida na “rotina”. A cura é ver que por mais que o romance e a paixão sejam maravilhosos, eles são efêmeros, e que se você estiver com a pessoa certa, o amor verdadeiro é muito bom também, e duradouro.

Paula Monteiro
Psicóloga clínica
psicologapaulamonteiro @ gmail.com
(21) 99742-7750

Detalhes fazem toda a diferença

Quando entramos em um relacionamento, tudo é lindo e encantador. Todos os detalhes positivos do parceiro são vistos com uma lente de aumento, e os defeitos são diminuídos ou até vistos como “charme”. Notamos todas as atitudes boas, como o café da manhã que ele faz e traz na cama aos domingos, como ele traz um doce toda semana para você depois do trabalho ou como ele conserta o seu computador sempre que você precisa. Ou como ela passou o seu terno que você precisava para a reunião, ou como faz um jantar especial todas às sextas-feiras, quando você volta exausto do trabalho. Você além de notar, menciona e agradece.

Após algum tempo, os detalhes negativos da pessoa começam a ter importância, e os positivos começam a perder o poder. Aquele esquecimento dele que antes era fofo começa a ser irritante, e o jeito que ela se atrasa sempre deixa de ser charme, e vira motivo de briga. Por que as coisas se invertem dessa maneira?

A verdade é que nos acostumamos facilmente com o que é bom (culpemos nosso cérebro!). Com o tempo, aquele café da manhã aos domingos vira tão normal quanto domingão do faustão, e deixamos de agradecer, até porque nós mesmos não vemos mais aquilo como tão especial. Em compensação, sabemos o quão difícil é se acostumar com algo ruim, e com a mágica de um relacionamento novo já meio que apagada, esses detalhes negativos começam a sobressair. Ambos os lados ficam irritados e começam a pensar que estão sendo desvalorizados.

Mas o que fazer para reverter esse problema? Tente adicionar um pouco de gratidão “não-automática” na relação: Pare e veja as qualidades de seu parceiro. Comente. Você verá que não somente seu parceiro se sentirá mais valorizado, feliz e irá retribuir o gesto, como você mesmo ficará mais satisfeito na relação.

Paula Monteiro
Psicóloga clínica
psicologapaulamonteiro @ gmail.com
(21) 99742-7750

Traição: Quando perdoar?

infidelity-379565_640

Não estou aqui para dizer o que é certo ou errado, e quais são seus limites. Se você não aceita nenhuma traição e quer sair do relacionamento, esse texto não é para você. Estou escrevendo para quem se pergunta se realmente vale a pena dar uma (ou mais uma) chance.

O mais grave da traição não é o ato sexual, mas sim a quebra de confiança que a traição causa. Muitas vezes essa quebra de confiança não consegue ser ultrapassada, e o término acontece. Só amor não é o suficiente para manter um relacionamento, precisa haver confiança. Confiança é a cola do relacionamento.

Relacionamentos envolvem promessas: promessa de que você está com uma pessoa e mais nenhuma outra (no caso dos relacionamentos fechados). Quando essa promessa é quebrada, a confiança se desintegra. Sem confiança, a intimidade e a comunicação acabam. O casal acaba se distanciando. Hostilidade toma o lugar do carinho, e o relacionamento aos poucos se torna tóxico, e pode vir a acabar. Porém, se ambas as partes quiserem, a reconstrução do relacionamento PODE ser atingida, especialmente com a ajuda de terapia, que, nesse caso, se vê muito necessária. A terapia ajuda trabalhando nos problemas de comunicação, na confiança quebrada, na mágoa e na raiva causadas pela traição.

Para a reconstrução de um relacionamento, todas as cartas devem ser postas na mesa. Traição é um problema do casal, não de somente uma das partes. A verdade deve ser dita, por ambas as partes. Quem traiu não deve esconder o que fez, o motivo que levou a fazer isso (isto é, o que lhe falta no relacionamento) e aceitar sua culpa, assim como quem foi traído deve dizer o que precisa para sua confiança no parceiro voltar. A confiança não irá voltar facilmente, nem deve. O parceiro traído foi manipulado e escutou mentiras. A confiança deixa de ser garantida e cega para ser ganha, aos poucos; é um processo lento, que requer trabalho e dedicação.

Mas, quando é que todo esse esforço é realmente necessário? As chances de um casal ficar bem após uma traição são razoáveis, com o esforço de ambos, caso estejam interessados. Mas o que falar de múltiplas traições? E de traições que foram descobertas pelo parceiro, e não admitidas pelo outro? O ponto que quero chegar aqui é que vejo muitas vezes no consultório situações em que a “vítima” se cega para a realidade. O amor realmente cega às vezes. Qual é a responsabilidade da vítima numa situação assim? Uma das coisas mais difíceis de se fazer é olhar para si mesmo e ver qual parcela de culpa temos por nos colocar nas situações que acontecem conosco. Será que o parceiro nunca mostrou nenhum sinal infidelidade antes ou nós é que tampamos nossos olhos até o último instante? O que essa situação toda diz sobre nós mesmos? O que faz nós irmos ao consultório para “nos consertar”, para aceitarmos uma relação de monogamia repetidamente desrespeitada? O que nos impede de olhar para fora da relação e ver uma nova vida? É o medo de ficar sozinha(o)? É por causa do “bem” da família? É a incerteza do futuro? Essas são perguntas importantes que devem ser respondidas antes de dar mais uma chance a parceiros que traem repetidamente. A habilidade de perdoar é algo louvável, mas nem sempre é a solução.

Paula Monteiro
Psicóloga clínica
psicologapaulamonteiro @ gmail.com
(21) 99742-7750

Ciúmes na relação

imagem:FreeDigitalPhotos.net
imagem:FreeDigitalPhotos.net

Ciúme é um sentimento complexo, que é multi-dimensional, envolvendo raiva, ansiedade e medo. O ciúme tem suas raízes em você mesmo (variando de acordo com a sua história de vida), na cultura que você vive (o que se é esperado em uma cultura muitas vezes não é esperado na outra)  e na relação entre duas ou mais pessoas. Além disso, quando falamos de ciúmes, geralmente pensamos em algo negativo, trazendo a idéia de possessividade, controle e egoísmo.

Quando pensamos em ciúmes em um relacionamento, podemos adicionar a todos os adjetivos citados acima, conflitos e problemas no relacionamento. Muitas vezes esses problemas, levados ao nível máximo, podem causar crimes passionais, sendo a maioria causados por homens.

No entanto, a idéia de que ciúmes são sempre ruins é um pensamento equivocado. Na verdade, ciúme, na dose certa, é um indicativo de que a pessoa gosta do parceiro, e ajuda na manutenção dos laços amorosos. Ciúme é uma reação biológica, isto é, natural, que é observada em animais e em bebês. O ciúme varia em grau e em tipo. Podemos dizer que o ciúme em um relacionamento pode ser categorizado, no mínimo, em ciúme reativo e ciúme desconfiado.

O que quero dizer com isso? Pois bem, como eu disse antes, ciúme é uma reação natural, e que depende de uma série de fatores. O ciúme que chamo aqui de reativo acontece quando há uma real ameaça ao relacionamento. O ciúme então acontece por causa de “um estranho no ninho”. Isso não significa que a reação seja necessariamente adequada ou aceitável socialmente só porque há uma ameaça real. Há níveis e níveis de ciúme. Esse ciúme, portanto, é causado, pelo menos por parte, por um fator externo. Já o ciúme desconfiado é causado por fatores internos. Baixa auto-estima, entre outros fatores causados por eventos causados no passado (até possivelmente uma traição anterior), podem gerar insegurança.

Os dois ciúmes podem se entrelaçar ou um virar o outro. Por exemplo, uma pessoa com ciúme reativo que é traída pode começar a ter ciúme do tipo desconfiado depois da traição, e uma pessoa que tem ciúme desconfiado do parceiro, gerando comportamentos altamente neuróticos, pode destruir o relacionamento e fazer com que o parceiro perca o interesse no relacionamento, e consequentemente termine ou traia.
No final, o que importa é que sentimentos de ciúme e insegurança sempre são ruins, então devemos consertá-los. A forma de conserto é que difere nessa hora. Se você tem ciúme do tipo desconfiado, trabalhar em si mesmo, fazer terapia e aumentar sua auto-estima são pontos cruciais. Já no caso do ciúme reativo, comunicação entre os parceiros é a chave: Apesar de conversas sobre o tópico serem complicadas e muitas vezes evitadas, insegurança, segredos e omitir sentimentos não é uma base sólida para a um casal se manter. Comunicação é essencial para um relacionamento saudável.

Como você escolhe seu parceiro amoroso?

ID-10068893

Muitos de nós acreditamos em almas gêmeas; de que existe uma pessoa em especial que é perfeita para nós, em todos os sentidos. Mas a verdade é que a crença da alma gêmea pode estar te impedindo de ser feliz.

Primeiramente, sejamos realistas: se existe uma pessoa na Terra perfeita para você e a Terra tem aproximadamente 7 bilhões de pessoas, é bem provável que você não ache essa pessoa. Consegue imaginar passar por todas essas pessoas antes de achar o seu par ideal? Mesmo que você tenha uma preferência sexual por um gênero só, 3,5 bilhões ainda é coisa demais.

Shwartz e colaboradores (2012) notaram que há dois modos prevalentes de escolha de parceiro: satisfação e maximização.

A pessoa que procura pelo método de maximização procura encontrar a MELHOR pessoa possível e troca quando encontra alguém melhor que o parceiro atual. O tipo de pessoa que diz que só vai se casar com o melhor homem (ou mulher) da Terra. Essas pessoas procuram bastante e por um longo tempo, ganham bastante experiência, e não aceitam nada aquém do melhor.

Já a pessoa que procura pelo método de satisfação pensa nos pontos que ela julga necessário para um parceiro antes de começar a sua procura, e selecionam a primeira pessoa que se encaixa nesses critérios, ao invés de estar sempre procurando pelo melhor de todos, a busca inalcançável.

Apesar de nossa sociedade ser de fato maximizadora, afinal, queremos sempre o melhor em tudo, os estudos comparando os dois tipos de escolha mostra que pessoas que vão pelo método de maximização se encontram mais deprimidas, perfeccionistas e se arrependiam mais que as pessoas que procuravam pelo método de satisfação, que se encontravam bem mais otimistas, felizes com a vida e com boa auto-estima. Essas pessoas encontram o que querem e o que precisam, e estão satisfeitas com o que têm.

As pessoas que procuram pelo método de maximização acabam pulando de relacionamento em relacionamento, sempre procurando por algo melhor (ou simplesmente esperando por todo o sempre), e depois sofrendo as consequências por estar sempre correndo atrás da inatingível perfeição.

Portanto, o ideal é parar e pensar o que você precisa num parceiro para te deixar feliz e satisfeito e também o que é absolutamente inadmissível um parceiro ter como defeito e seguir com essa lista, e esqueça as opiniões alheias ou o que a mídia manda. Assim, você conseguirá achar um parceiro bom e parará de procurar a perfeição, que não existe.

imagem:FreeDigitalPhotos.net