Alguns motivos para você trabalhar no seu medo da rejeição

silhouette-315915_640

Ter medo de não ser honesto em certas situações é normal. Afinal, somos “criaturas tribais”: vivemos em grupos (trabalho, família, parceiro(a)), e ser aceito pelas pessoas que estão perto de nós é importante. Queremos ser bem vistos e queremos pertencer aos grupos. É uma questão não somente psicológica, mas biológica também. É só pensar nos homens das cavernas: aquele que for expulso do grupo não terá comida, não terá a chance de procriar, e também não terá segurança.

Apesar de realmente termos de nos ‘portar’ de uma maneira diferente do que gostaríamos às vezes, muitas pessoas levam isso ao extremo, criando conflitos internos e externos, ao invés de evitá-los. Pessoas que sempre dizem “sim” para pedidos de colegas e familiares quando realmente querem dizer “não”, e pessoas que nunca expõem seus pensamentos por medo de serem julgadas são bons exemplos disso. Eis alguns motivos para você trabalhar no seu medo da rejeição:

Exaustão:
Agradar a todos pode ser uma solução temporária, mas desgastante. Aceitar a todos os convites, ajudar a todos e realizar todos os pedidos das pessoas próximas drena a sua energia como uma esponja, especialmente quando são coisas que você realmente quer recusar, porém não tem coragem. Já percebeu como é muito mais difícil fazer algo que não queremos? Fazer isso o dia inteiro e todos os dias é impraticável. Na vida, temos que abrir mão de certas coisas, e certos favores devem ser feitos, é fato. No entanto, se você se vê arrastado para todos os caminhos menos para o seu, repense o seu comportamento com os outros. Lembre-se que por mais que você queira, é impossível agradar todo mundo. Você não é o guardião da felicidade das outras pessoas, mas você é responsável por sua própria felicidade.

Inautenticidade:
Concordar com tudo e com todos faz com que você omita a sua verdadeira personalidade, o seu verdadeiro “eu”. Assim como você vê quem está sendo falso com você, as pessoas irão perceber com o tempo que você não está sendo honesto com elas, independente de ser por um motivo ‘bom’ ou ruim. Um dia, a máscara cai, ela sempre cai, é apenas questão de tempo. Ser honesto nas suas opiniões e comportamentos abre uma porta para uma vulnerabilidade, isto é, a possibilidade de se machucar. No entanto, é essa mesma vulnerabilidade que é a chave para relacionamentos genuínos. Com uma “máscara social” você pode até evitar de se magoar, mas, por outro lado, não forma vínculo honesto e real com ninguém.

Perda de oportunidades:
Não expor suas ideias é a maneira perfeita de perder conexões e oportunidades, especialmente nos negócios. Já vi muitos pacientes com ideias boas, porém com um medo enorme de comunicá-las. Às vezes, ter uma opinião diferente do grupo pode abrir muitas portas, ou pelo menos criar caminhos para estas. Lembre-se que não há garantias de que a sua ideia será aceita, mas se você não colocá-la na mesa, você não apenas evita rejeições, mas também evita possíveis recompensas. O “não” já é garantido, pense nisso.

Relacionamentos tóxicos:
Ao se comportar de um modo que você não quer para agradar aos outros o tempo todo, cria-se uma raiva interna que acaba sendo passada, quer você queira ou não. Comportamentos passivo-agressivos, indiretas e elogios falsos são típicos nesse tipo de situação, o que, obviamente, desgasta qualquer relacionamento.

Falta de respeito:
Se você não se respeita, não espere que os outros te respeitem. O medo da rejeição facilita a criação de relacionamentos abusivos, pois quando não há limites, (acredite, muitas) pessoas avançam.

 

Lembre-se de que a vida é feita de erros e acertos. Quando não damos passos para nenhum lado, podemos até não errar, mas também não vamos acertar.

Para marcação de consultas (online ou presencial):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Quando pedir desculpas, siga essas regras

board-1500391_640

Como mencionei no post anterior, todos cometemos erros, especialmente com as pessoas mais próximas de nós. Logo, é apenas óbvio que, em mais cedo ou mais tarde, teremos de pedir desculpas a alguém.

Mas será que a sua desculpa tem valor?

Muitas pessoas distribuem “desculpas” como se fossem flores, apenas para repetir o erro novamente mais a frente. O ato de pedir perdão é como uma reconstrução da ponte entre você e o outro: se fizer um trabalho mal-feito, a ponte pode desmoronar. É a confiança que está em risco.

Sendo assim, é importante que o pedido seja honesto e consciente. Considere os pontos a seguir, antes de dar o importante passo:

Sinceridade:
Você realmente está arrependido(a)? Você entende como a outra pessoa foi afetada? Se você está apenas pedindo desculpas para se livrar de reclamações, seu pedido não é sincero.

Responsabilidade:
Você está assumindo a responsabilidade dos seus erros, ou está culpando algo ou alguém? A grande maioria das defesas e justificativas que vêm junto com um pedido de desculpas são para jogar a batata quente para outro lugar. Tenha isso em mente.

Foco:
É importante ser específico para si mesmo e para o outro em onde errou, para não cometer o mesmo erro novamente. Ser específico também mostra para a outra pessoa que você sabe exatamente o que fez de errado, e que não está pedindo desculpas “por qualquer coisa”.

Compromisso:
Como é que você pode evitar o mesmo problema no futuro? A resposta para essa pergunta deve ser encontrada e comunicada junto com o pedido.

Gratidão:
Lembre-se de agradecer por receber mais uma chance; elas nem sempre são concedidas. Faça esta valer.

Para marcação de consultas (online ou presencial):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Perdão, justiça, punição e relacionamentos

people-3163556_640

É apenas bom senso deixar pequenos erros dos outros de lado. Se irritar por coisas bobas é perda de tempo e de energia, além de possivelmente drenar nossos relacionamentos a longo prazo. Ninguém é perfeito, então é de se esperar que pessoas com quem convivemos nos aborreçam/magoem de vez em quando, assim como nós faremos o mesmo com elas. O que eu quero dizer é, uma roupa deixada no chão (ou qualquer coisa pequena que você queira imaginar aqui) uma vez não é motivo para brigar com o seu parente ou parceiro, nem motivo para deixar notinhas passivo-agressivas pela casa. Aliás, ser passivo-agressivo nunca é a solução para nada, mas essa conversa fica para outro dia.

No entanto, o que fazer quando se trata de transgressões graves?

O que fazer quando realmente sofremos após um ato grave feito por alguém que amamos? Após o erro, um desequilíbrio se instaura no relacionamento (não necessariamente amoroso) e, obviamente, precisamos tomar uma atitude perante isso. Muitas pessoas se perguntam o que fazer quando isso acontece: Devo apenas perdoar? Devo me vingar? Ou fazer tratamento de silêncio?

A resposta para essa pergunta é: nenhuma das opções anteriores.

Nessas situações de injustiça, podemos responder de várias formas:

1) Apenas perdoar, e acreditar que não acontecerá novamente.
2) Cometer um tipo de justiça punitiva. Exemplos: tratamento de silêncio, pagar na mesma moeda, humilhação virtual ou pública…
3) Aplicar a justiça restauradora.
4) Não perdoar e cortar os laços. É sempre uma opção (e, algumas vezes, a certa), mas não é o assunto deste texto. Logo, não vamos trabalhar no nº4.

Com isso em mente, vou colocar aqui uma situação, os exemplos de resposta e suas consequências:

Situação:

João e Maria são casados. Em um churrasco, Maria bebeu demais e “pagou mico”: falou demais (como a maioria dos bêbados fazem), e compartilhou detalhes íntimos sobre ela e seu marido. João se aborreceu, obviamente. Maria não tinha 15 anos e deveria controlar sua bebida. Além disso, ela não deveria falar detalhes íntimos sobre os dois sem falar previamente com ele. Ele a carregou para casa, e no dia seguinte ela não se lembrava muito do que tinha acontecido; já ele, se lembrava muito bem, e estava extremamente magoado.

João poderia responder das seguintes maneiras:

1) Fingir que nada aconteceu, ou apenas contar o que aconteceu e não falar sobre seus próprios sentimentos, como se não tivesse acontecido nada importante, perdoando o ato.
Obviamente, tomando essa decisão, João continuaria se sentindo magoado e injustiçado, talvez “acumulando raiva” para uma briga no futuro, o que poderia destruir o relacionamento eventualmente. Além disso, Maria não aprendeu nada nessa situação. Ela não viu nenhuma consequência em seu comportamento, deixando assim uma brecha para a repetição da bebedeira, o que, obviamente, pioraria o relacionamento do casal. Resumindo, isso seria danoso não somente para João, mas também para o casal.

2) Justiça punitiva: João poderia encher a cara no próximo churrasco, para sua esposa “sentir na pele” o que ele sentiu.
Dois problemas não criam solução, e sim um problemão. João pode até se sentir bem momentaneamente fazendo isso, mas não vai durar muito. A verdade é que nada foi resolvido, o ressentimento voltará, e não apenas para João, mas agora também para Maria, que ficará magoada com o comportamento de seu marido.

Outro exemplo de justiça punitiva: tratamento de silêncio.
João poderia não explicar nada e simplesmente não falar com Maria até ela pedir desculpas, ou até ele “perdoar” por si mesmo (o que voltaria para o caso 1). Sem ouvir o problema e os sentimentos de João, Maria pediria desculpas, mas nada garante que esse pedido seja honesto.

Na melhor das hipóteses, Maria teria aprendido a lição: teria se arrependido honestamente e não repetiria mais a bebedeira. Ela veria que magoou seu marido, e aprenderia com o seu erro.

No entanto, sem receber um feedback de seu marido, de como ele se sentiu, e o impacto que aquilo causou no relacionamento, Maria poderia muito bem achar o tratamento de silêncio uma atitude infantil e exagerada de João, pedindo desculpas apenas para amenizar as coisas. Isto é, haveria uma probabilidade de Maria não entender a gravidade da situação. Novamente, João pode se sentir bem com a “vingança” e com o pedido de desculpas de sua esposa (que pode muito bem ser um pedido de desculpas completamente vazio), mas não por muito tempo.

3) Justiça restauradora:
João não se sente confortável e não quer conversar por um tempo, o que é direito dele – afinal, ele está magoado. Porém, ao contrário da situação anterior, João senta com Maria no dia seguinte e expressa como se sentiu, algo como:
“Olha, eu não quero papo por um tempo. Você me magoou muito com o jeito que se portou ontem.” Prosseguindo com mais explicações, e mostrando como isso afetou o relacionamento, pedindo para que isso não aconteça novamente.

Ao escutar seu marido, Maria não tem dúvidas da gravidade do que aconteceu, e de como tudo isso causou um impacto em seu relacionamento com João. Uma via de comunicação saudável entre o casal abre mais possibilidade para um pedido de desculpas honesto de Maria, assim como uma solução real para o problema, ao invés de varrê-lo para debaixo do tapete. Se Maria for razoável, ela entenderá o problema e não repetirá o ato. Claro, tudo ainda está fresco na memória de João, e nada é perdoado imediatamente; ele tem todo o direito de continuar aborrecido por um tempo, é apenas natural. No entanto, expressando para sua esposa como se sentiu e com um pedido de desculpas sincero dela, o perdão será verdadeiro, e não algo que ficará corroendo no fundo de sua mente por tempo indeterminado.

Resumindo:

Nunca ache que a outra pessoa lê a sua mente. Uma comunicação aberta e honesta é essencial para a resolução real do problema. Se está com muita raiva no calor do momento, tudo bem: se afaste e depois converse com calma, explicando todos os pontos. Perdoar por perdoar não apenas cria um desequilíbrio no relacionamento (romântico ou não), mas também o torna tóxico. Além disso, deixar erros graves de lado faz com que a outra pessoa não veja a mesma seriedade destes, deixando-a mais propensa à repetição dos mesmos. Afinal, é necessário que esta veja o dano que causou para poder fazer um pedido de desculpas honesto e aprender com o erro. Por último, lembre-se que vingança pode parecer a melhor solução no calor do momento, mas elas são apenas temporárias. Elas fazem com que os problemas voltam depois, cada vez maiores, como uma bola de neve.

Para marcação de consultas (online ou presencial):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Insônia? Ponha seus pensamentos no papel

night-2090192_640

Já recomendei a muitos dos meus pacientes a prática de escrever um diário para acessar situações e pensamentos que em pouco tempo desaparecem da nossa memória (consciente) mas que podem nos afetar a longo termo. Também falei sobre a importância de escrever para aliviar o estresse, seja o que está em sua mente no momento ou relembrando e anotando bons momentos do dia. No entanto, não falei sobre a relação entre a escrita e o sono, e é sobre isso que iremos falar hoje.

Em um estudo feito pela Baylor University e pela Emory University descobriu-se que escrever logo antes de ir para a cama pode fazer o sono bater significantemente mais rápido. No entanto, dessa vez não estamos falando sobre escrever em um diário, e sim em uma agenda.

Na verdade, faz muito sentido, não? Geralmente os pensamentos que nos deixam em alerta na hora de ir para a cama não são sobre o que fizemos no dia, e sim sobre o que deixamos de fazer ou sobre o que temos que fazer no dia seguinte. Escrever uma lista do que você precisa fazer no futuro diminui a agitação cognitiva, acalmando aquela voz interna que fica dizendo “preciso fazer isso” e “preciso fazer aquilo”. Parte do motivo desses pensamentos nos perturbarem à noite é que podemos esquecê-los a qualquer momento. Se colocarmos a nossa lista mental no papel as chances de esquecermos o que temos que fazer diminuem, dando um descanso para a sua cabeça e deixando assim o sono chegar.

Obviamente isso também funciona durante o dia, seja com pessoas que possuem muitas tarefas, pessoas ansiosas ou com pessoas que possuem déficit de atenção. A agitação diminui, a cabeça esfria e podemos nos concentrar melhor nas tarefas que estamos fazendo no momento.

Resumindo, seja de dia ou de noite, escrever as tarefas que precisamos fazer no futuro é sempre uma boa ideia. Muita gente compra agenda mas não usa, deixando de decoração no escritório. Que tal começar a fazer bom uso do caderninho?

Para marcação de consultas (online ou presencial):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Mais uma dica de relacionamento: Problemas? Veja seu relacionamento de todos os ângulos

stairs-8443_640

Todos sabemos que um relacionamento saudável consiste de duas pessoas que se sentem “recompensadas” pelo que fazem um pelo outro. O que eu quero dizer com isso é que, se colocarmos em termos monetários, um bom relacionamento seria um em que você sente que está dando tanto quanto está recebendo. A maioria de nós quer um relacionamento onde o investimento é igual em ambos os lados.

Obviamente, quando sentimos que estamos investindo muito mais do que o nosso parceiro, nos sentimos desvalorizados – afinal, queremos ser amados tanto quanto nós amamos nosso parceiro, queremos ser reconhecidos. Isso é completamente natural, e é bom! Quem quer receber menos de propósito? Não muita gente, lhe garanto. Porém, existe um grande problema que pode acontecer quando nos sentimos (note que falei sentimos, não “estamos”) desvalorizados, e que na verdade acontece muito: deixamos de ver o ponto de vista do outro.

A maioria das pessoas assim que se vêem desvalorizadas tendem a se vingar (isto é, começam a se dedicar menos ao relacionamento) ou começam a discutir e demandar mais do parceiro. O problema da primeira solução é que não é solução (seja em um problema real ou não), só cria uma bola de neve que pode esmagar seu casamento/namoro, enquanto o problema da segunda solução é que, se você estiver demandando demais do seu parceiro sem necessidade, isso também causará problemas – seu parceiro também não quer se sentir desvalorizado, assim como você. Claro, conversas podem e devem acontecer em situações reais, mas e se tudo for uma questão de perspectiva? Quantos problemas poderiam ser evitados com isso?

Por mais que nós imaginemos que somos naturalmente justos, a verdade não é bem assim. Não vemos a grande maioria das situações de forma neutra, especialmente quando sentimentos fortes como o amor estão envolvidos. Além disso, tendemos a ser ingratos: damos mais valor ao novo, e esquecemos o que temos por “garantido”, coisas do dia a dia acabam sendo deixadas de lado, assim como gestos e pessoas. Quem nunca deu valor demais à uma pessoa nova, apenas para se ver desapontado depois de um tempo? E, se você já se arrependeu de não ter dado valor a alguém antes de ter sido tarde demais, você sabe perfeitamente do que estou falando.

No nosso dia a dia cometemos vários enganos, e pode ter certeza que cometemos alguns com as pessoas que nos são mais próximas também. Na verdade, são essas as pessoas com quem passamos mais tempo, logo, as chances de errarmos com estas são ainda maiores, certo? É uma matemática simples. Às vezes nossa “balança de justiça” fica descalibrada, e a solução é fácil: pare e pense antes de agir ou reagir. Será mesmo que não estou recebendo o valor que mereço? Será mesmo que esta pessoa não me dá valor? O quanto esta pessoa está fazendo por mim, e o quanto estou fazendo por ela? Deixamos de apreciar pequenos atos feitos diariamente pelos nossos parceiros com muita facilidade: seja aquele jantar que ele sempre faz para você assim que você chega exausta do trabalho, ou como ela sempre cuida de você quando você está doente. Quando o bom vira normal, esquecemos que é bom e queremos mais. Pare e pense se o seu descontentamento é causado por algo real ou por sua mente achando que há uma injustiça onde não existe. Se coloque na posição do seu parceiro e tente ver as coisas do ponto de vista dele ou dela.

Esta dica pode parecer besteira, mas todos nós reagimos muito mais impulsivamente do que imaginamos e do que deveríamos. Nosso instinto de sobrevivência bate forte e queremos reagir imediatamente, demandamos o que merecemos! O grande problema é que este instinto pode bater forte, mas não pensa nos outros. Cabe a nós darmos uma freada nesses impulsos e pensarmos se realmente estamos sendo justos ou não. Pense mais antes antes de tomar qualquer atitude, e verá que terá menos problemas.

Para marcação de consultas (online ou presencial):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Sexo: perguntas que você precisa fazer ao seu parceiro antes do casamento

wedding-1745240_640

Por mais que um casamento seja muito mais do que sexo, relacionamentos íntimos são importantes para a manutenção de um. Na clínica, vejo muitos dos meus clientes com problemas que poderiam ter sido evitados caso uma conversa tivesse sido tida com seus parceiros antes de “fechar o contrato”. A falta de verdadeira intimidade com seu parceiro pode criar sérios problemas no futuro, inclusive o divórcio. Portanto, antes de tomar o próximo passo, veja se esses assuntos já foram discutidos:

Você possui alguma fantasia sexual? Preferências?
Apesar de nem todos os parceiros possuírem fantasias, considere também as preferências sexuais em geral neste mesmo tópico. Quando os parceiros estão no começo de um relacionamento, é comum esconder maiores intimidades, que geralmente aparecem aos poucos. No entanto, às vezes o assunto é importante e não é discutido por vergonha, o que pode levar à frustração em longo prazo. Um exemplo aqui são os fetiches: e se o seu parceiro tiver um? Isso precisa ser conversado, e um acordo que seja satisfatório para os dois precisa ser encontrado.

Você gosta de sexo? De quanto em quanto tempo você acha uma periodicidade saudável?
No começo do relacionamento muitos parceiros exageram na quantidade, seja para agradar o parceiro ou porque acha que é o certo. Algumas pessoas sequer se importam com o ato, e só fazem porque “faz parte”. Uma pessoa que quer ter relações uma vez ao ano terá problemas com uma outra que quer ter cinco vezes ao dia. Isso tudo deve ser conversado. Não existe uma periodicidade ideal, e sim uma periodicidade que agrade a ambos.

Você possui algum problema sexual que eu não sei?
Disfunções seja por depressão ou qualquer outro motivo precisam ser mencionados, assim como qualquer problema genital. Traumas sexuais também precisam ser conversados, seja em particular ou junto com um terapeuta.

Você quer ter filhos?
É uma pergunta que não tem a ver com sexo, mas tem a ver com o resultado do ato. Quais são as expectativas de cada um para o futuro? Vocês dois querem filhos? Se sim, quantos? Qual seria o método de criação? Se não, vocês sempre usarão algum contraceptivo? Se sim, qual? Seu parceiro tem algo contra camisinha? Essas perguntas precisam ser respondidas para evitar brigas ou surpresas no futuro.

Como foram os seus relacionamentos anteriores?
Não podemos dizer que pessoas que já traíram sempre trairão, mas se o seu parceiro teve cinco relacionamentos e em todos eles houve traição por parte dele, interprete isso como um mau sinal. Não somente traição, mas qualquer tipo de repetição deve ser levado em conta: abandono, falta de interesse, raiva, etc.

Por último, lembre-se que não existem casais perfeitos e 100% compatíveis, e sim pessoas dispostas a negociar e a chegar em um acordo que agrade a ambos. A ideia de que qualquer diferença pode ser eliminada apenas no convívio é muito bonita, mas é uma ilusão. Muitas diferenças podem ser eliminadas sim, porém há a necessidade de saber se existe um caminho para isso, se os dois estão dispostos a negociar e o quanto estão dispostos a ceder.

Para marcação de consultas (online ou presencial):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Perfeccionismo, expectativas e depressão – você está se sabotando?

baby-2483665_640

Como terapeuta, acho que não preciso me esclarecer aqui sobre a seriedade da depressão e em como deve ser tratada na terapia e, dependendo do caso, também com medicamentos. No entanto, acho que vale a pena falar sobre pontos importantes que nós mesmos podemos refletir sozinhos, e um (de muitos) deles é o perfeccionismo. Será que o seu perfeccionismo e as suas expectativas em geral estão te sabotando?

Quando esperamos demais de nós mesmos, às vezes um simples hobby pode virar uma frustração. Tudo na vida envolve aprendizado e experiência, seja em sua profissão ou em um passa-tempo. Se você sempre desiste de algo na primeira tentativa ou na primeira falha, lembre-se que sempre haverá um momento onde você se sentirá inseguro sobre os seus talentos, seja lá no que for. Um chef de cozinha não aprendeu a fazer tudo o que faz da noite para o dia, e até mesmo os mais experientes chefs às vezes queimam um prato. Se você desistisse de todos os seus desafios na vida, não saberia amarrar os sapatos hoje em dia – coisa que você provavelmente faz com a mesma facilidade de escovar os dentes, outro ato que você teve de aprender, e provavelmente não foi tão fácil nas primeiras vezes.

A autocrítica pode nos roubar talentos ou diversões, levando muitas pessoas a se “divertirem” com atos que não lhe trazem nenhum benefício, como abuso de álcool ou drogas ilícitas. Outras podem esquecer da vida assistindo TV. Nada contra a telinha, mas quando isso é o seu meio de fuga da realidade e dos seus desafios, ela se torna um problema. Muitas pessoas aparecem no consultório com autocríticas extremas, que as pôs em uma prisão cognitiva – “não consigo fazer nada direito”, “não sou bom em nada”, eles dizem. Quem não tenta nada não se torna bom em nada, isso é fato. O caminho de todos nós é cheio de dificuldades, e, apesar de podermos desviar de alguns obstáculos, muitos deles são necessários.

Aliás, vale lembrar que o que estou falando aqui não se resume em “não desista de nada”. Às vezes algumas coisas e pessoas devem ser deixadas de lado. Desistir quando necessário é sadio e deve ser feito. Este texto é para as pessoas que desistem de tudo que não saia perfeito da primeira vez.

Por último, vale lembrar que a maioria dos perfeccionistas também esperam um bocado dos outros, criando ressentimento quando suas altas expectativas não se realizam. Novamente, é importante se lembrar dos processos e dos esforços dos outros, e não somente dos resultados. Isso não somente afeta os relacionamentos, mas também pode trazer várias formas de somatização. Internalizar esses sentimentos pode trazer depressão, dores de cabeça e ansiedade.

Se você acha que você se encaixa no perfil, tente parar e apreciar todo o processo, ao invés de apenas focar no resultado. Ao invés de desistir ou se irritar, pense em como melhorar seu desempenho, e lembre-se que tudo na vida precisa ser aprendido. Isso também vale para as pessoas com quem você se relaciona: pense no processo e no esforço delas, e não somente na expectativa. Todos nos decepcionamos às vezes, e é importante perdoar a si mesmo e aos outros.

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Alguns fatos e mitos sobre a depressão

umbrella-2603983_640

Setembro foi o mês da prevenção do suicídio, e acredito que falar sobre depressão seja um tema importante. Afinal, 5,8% dos brasileiros sofrem com esse mal (dados de 2017) e grande parte dos suicídios são causados por depressão, seja essa depressão acompanhada de outros problemas (como drogas ou distúrbios alimentares) ou não.

Apesar de muito combatermos o estigma que a depressão causa, ele ainda é bem prevalente. Aliás, acredito que esses 5,8% não cheguem nem perto da porcentagem certa –  afinal, muitas pessoas fingem estarem bem ou nem sequer sabem que estão deprimidas – sim, muitas pessoas tentam ignorar a depressão, o que pode trazer consequências graves, como problemas psicossomáticos, isto é, problemas “misteriosos” no corpo. Estar deprimido é visto como uma “frescura” por muitos, e ainda há os que chamam pessoas que sofrem de depressão de malucas. Infelizmente isso ainda existe. Problemas psicológicos que são tratáveis muitas vezes são escondidos da família e de amigos por medo: medo do título de “doente” ou de “frágil”, “fresco”, ou de ter seu problema completamente invalidado: “Não é nada, para de besteira” ou “Deixe de ser preguiçoso” são frases que muitos ouvem.

Parte da culpa disso vem da mídia: muitas séries e filmes incluem a palavra depressão quando deveriam falar tristeza ou tédio. A mídia tem um peso grande em nosso senso comum, que já não era bom antes mesmo da depressão começar a ser mencionada.

Por isso mesmo, acho válido discutir uns tópicos aqui em relação à depressão. Vamos a eles:

Depressão não é tristeza:
Depressão PODE ser ativada por um evento ruim, por uma tristeza, mas a depressão não é apenas tristeza. Pessoas deprimidas muitas vezes têm dificuldade para levantar da cama, e tomar banho pode parecer uma tarefa impossível às vezes. Depressão não significa chorar o dia inteiro. Aliás, para muitos, a depressão sequer é tristeza – às vezes ela se apresenta como um intenso vazio, tirando todo o significado da vida.

Muitos possuem pensamentos irracionais quando a depressão aparece. Por mais que logicamente eles saibam que alguns pensamentos “tóxicos” e extremamente negativos não façam sentido, é difícil eliminá-los. A terapia é extremamente importante nessa parte, assim como no tratamento de atitudes e pensamentos que fazem o paciente se auto-sabotar.

Depressão não é fraqueza:
Depressão possui bases biológicas, genéticas, psicológicas e ambientais. Chamar uma doença de fraqueza ou tristeza é extremamente cruel. Se você não pode dizer para um diabético para ele “pensar positivo para o açúcar baixar”, você não pode pedir o mesmo para uma pessoa deprimida. Depressão é tratado com terapia e, dependendo do caso, medicamentos.

Antidepressivos não são pílulas da felicidade, nem causam dependência:
Até mesmo alguns pacientes acreditam que o remédio vai “curar” tudo. Outros são contra os remédios pois acreditam que causam dependência. Antidepressivos não causam dependência, porém, devem ser cautelosamente controlados por um psiquiatra. Quanto à “pílula da felicidade”, ela não existe. Além do medicamento demorar um pouco para fazer efeito – isso quando se acerta de primeira -, o medicamento apenas não é a cura para a depressão, e sim um caminho: o antidepressivo estabiliza o humor para a terapia poder fazer efeito.

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Perdendo a concentração? Pode ser o seu celular

iphone-6-458150_640.jpg
Você anda sentindo que a sua memória não é a mesma? Ou que sua habilidade para focar simplesmente sumiu? Talvez seja o seu aparelhinho aí do seu lado.
Por favor, como psicóloga, não estou aqui para dizer que problemas sérios como o Transtorno do Déficit de Atenção não existem. Nada disso. Muito pelo contrário! Mas, é óbvio que certos ambientes e pessoas podem nos afetar proundamente – às vezes a ponto de nos sentirmos doentes. Todos sabemos disso, certo? Objetos não são exceção – especialmente quando estes são praticamente ‘vivos’.

Os celulares, especialmente os smartphones, nos trazem milhares de benefícios: podemos checar nossos e-mails, tirar fotos, mandar mensagens, ver novidades no facebook, assistir vídeos… Enfim, considerando que grande parte da população têm um smartphone, não preciso me alongar em suas vantagens – dessas, a grande maioria já sabe. Porém, ficar “antenado” o tempo inteiro pode trazer consequências, como, por exemplo, um constante estado de vigia, esperando a próxima interação, o próximo like, o próximo e-mail. Quantas vezes você interrompeu a atividade que estava fazendo para dar uma espiada no celular? Quantas vezes você não aguentou e teve que pegar o seu celular no meio da aula, reunião, ou até mesmo enquanto conversava com um amigo?

Considerando a distração causada pelos aparelhos, pesquisadores da Universidade do Texas em Austin resolveram fazer uma experiência: Diversas pessoas foram alocadas para mesas, para fazer um teste que media a atenção e a capacidade cognitiva. Para alguns, os pesquisadores apenas pediram que os celulares fossem desligados e colocados com a tela para baixo, em cima da mesa. Para outros, o celular deveria ficar dentro da bolsa ou mochila, enquanto, para um terceiro grupo, foi pedido para que seus celulares fossem levados para outro ambiente enquanto esses faziam o teste.

Os resultados do estudo apenas comprovaram o que muitos de nós provavelmente já imaginávamos: as pessoas que estavam com seus celulares em outro ambiente tiveram notas significantemente melhores do que as pessoas com o celular na mesa. Até as pessoas que colocaram o celular na bolsa/mochila obtiveram melhores resultados no teste do que o grupo com o aparelho na mesa.

Obviamente, o nosso cérebro acaba tão acostumado em checar o aparelho que, até mesmo quando ele está desligado nós pensamos nele, especialmente se ele estiver perto. Aliás, não somente isso: gastamos nossa atenção e energia pensando em não pensar nele! Nossa capacidade cognitiva e atenção não são ilimitadas, e gastamos uma boa parte de nossos recursos mentais usando o celular. O usuário de smartphone o utiliza em média 85 vezes por dia, desde a hora que acorda até a hora de dormir – sem contar que muitos usam o celular quando acordam no meio da noite, para fazer aquele pit stop no banheiro. Conhece alguém assim? Não é tão incomum quanto se imagina. Aliás, isso não ajuda em nada a voltar a dormir, já que a tela dos celulares causa insônia.

Claro, celulares são ótimos para comunicação, trabalho e até (ou especialmente) para diversão, mas precisamos parar para pensar o quanto estamos perdendo a atenção na vida real e na nossa produtividade por causa do aparelho. Seja num teste, na hora de escrever um post (como este) ou até mesmo conversando com alguém, deixe o celular de lado – mas de lado mesmo.

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Dicas para um relacionamento duradouro:

digital-art-398342_640.png

Um relacionamento amoroso para a vida toda é algo que muitos querem porém nem todos conseguem. Considerando que a taxa de divórcio entre casais é grande, é importante ser ativo na construção e na manutenção de um bom relacionamento, por mais que você se considere um expert. Veja essas dicas:

Demonstre seu amor:
Não é porque vocês estão com alianças que a hora de encantar seu parceiro terminou. Se dedique: seja aberto sobre seus sentimentos, expresse emoções positivas, elogie, dê garantia de amor (isto é, reenforce verbalmente) e divida as tarefas que surgem com o casamento.
A dedicação e o comprometimento de uma união devem ser demonstrados diáriamente. Case-se todos os dias. Manter a atração ao seu parceiro é uma decisão, não mágica ou apenas química. Namore e mostre seu amor todos os dias.

Dedicação e comunicação diária:
Por mais que o estresse do dia-a-dia te deixe desanimado e tudo que você queira fazer ao chegar em casa é “desligar” a cabeça e usar o computador, preste atenção em seu parceiro e se comunique com ele. Deixar de prestar atenção no seu parceiro para usar o celular ou o computador é uma queixa constante, crescente e válida. Quando você faz isso, você comunica de forma não-verbal que o seu parceiro não é importante. Deixe seus aparelhos de lado, e aproveite mais tempo com seu amor.

Brinque:
Claro, com contas a pagar às vezes fica difícil não ser sério. Ser adulto não é fácil. No entanto, para manter um relacionamento, é importante ter um tempo de diversão como casal, seja lá qual for o seu estilo – trilhas, esportes radicais, videogames, arte, dança etc.
Quando houver conflito, converse:

Quando se está em um relacionamento estável, é importante ser honesto e discutir os problemas. Geralmente, quando tentamos ignorar algo, este tende a voltar, e geralmente criando uma bola de neve, cada vez maior. Discuta os problemas antes que eles fiquem maiores. Lembrando: Discutir não é brigar. Converse com calma, e ache uma solução.

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750