Mais uma dica de relacionamento: Problemas? Veja seu relacionamento de todos os ângulos

stairs-8443_640

Todos sabemos que um relacionamento saudável consiste de duas pessoas que se sentem “recompensadas” pelo que fazem um pelo outro. O que eu quero dizer com isso é que, se colocarmos em termos monetários, um bom relacionamento seria um em que você sente que está dando tanto quanto está recebendo. A maioria de nós quer um relacionamento onde o investimento é igual em ambos os lados.

Obviamente, quando sentimos que estamos investindo muito mais do que o nosso parceiro, nos sentimos desvalorizados – afinal, queremos ser amados tanto quanto nós amamos nosso parceiro, queremos ser reconhecidos. Isso é completamente natural, e é bom! Quem quer receber menos de propósito? Não muita gente, lhe garanto. Porém, existe um grande problema que pode acontecer quando nos sentimos (note que falei sentimos, não “estamos”) desvalorizados, e que na verdade acontece muito: deixamos de ver o ponto de vista do outro.

A maioria das pessoas assim que se vêem desvalorizadas tendem a se vingar (isto é, começam a se dedicar menos ao relacionamento) ou começam a discutir e demandar mais do parceiro. O problema da primeira solução é que não é solução (seja em um problema real ou não), só cria uma bola de neve que pode esmagar seu casamento/namoro, enquanto o problema da segunda solução é que, se você estiver demandando demais do seu parceiro sem necessidade, isso também causará problemas – seu parceiro também não quer se sentir desvalorizado, assim como você. Claro, conversas podem e devem acontecer em situações reais, mas e se tudo for uma questão de perspectiva? Quantos problemas poderiam ser evitados com isso?

Por mais que nós imaginemos que somos naturalmente justos, a verdade não é bem assim. Não vemos a grande maioria das situações de forma neutra, especialmente quando sentimentos fortes como o amor estão envolvidos. Além disso, tendemos a ser ingratos: damos mais valor ao novo, e esquecemos o que temos por “garantido”, coisas do dia a dia acabam sendo deixadas de lado, assim como gestos e pessoas. Quem nunca deu valor demais à uma pessoa nova, apenas para se ver desapontado depois de um tempo? E, se você já se arrependeu de não ter dado valor a alguém antes de ter sido tarde demais, você sabe perfeitamente do que estou falando.

No nosso dia a dia cometemos vários enganos, e pode ter certeza que cometemos alguns com as pessoas que nos são mais próximas também. Na verdade, são essas as pessoas com quem passamos mais tempo, logo, as chances de errarmos com estas são ainda maiores, certo? É uma matemática simples. Às vezes nossa “balança de justiça” fica descalibrada, e a solução é fácil: pare e pense antes de agir ou reagir. Será mesmo que não estou recebendo o valor que mereço? Será mesmo que esta pessoa não me dá valor? O quanto esta pessoa está fazendo por mim, e o quanto estou fazendo por ela? Deixamos de apreciar pequenos atos feitos diariamente pelos nossos parceiros com muita facilidade: seja aquele jantar que ele sempre faz para você assim que você chega exausta do trabalho, ou como ela sempre cuida de você quando você está doente. Quando o bom vira normal, esquecemos que é bom e queremos mais. Pare e pense se o seu descontentamento é causado por algo real ou por sua mente achando que há uma injustiça onde não existe. Se coloque na posição do seu parceiro e tente ver as coisas do ponto de vista dele ou dela.

Esta dica pode parecer besteira, mas todos nós reagimos muito mais impulsivamente do que imaginamos e do que deveríamos. Nosso instinto de sobrevivência bate forte e queremos reagir imediatamente, demandamos o que merecemos! O grande problema é que este instinto pode bater forte, mas não pensa nos outros. Cabe a nós darmos uma freada nesses impulsos e pensarmos se realmente estamos sendo justos ou não. Pense mais antes antes de tomar qualquer atitude, e verá que terá menos problemas.

Para marcação de consultas (online ou presencial):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Perfeccionismo, expectativas e depressão – você está se sabotando?

baby-2483665_640

Como terapeuta, acho que não preciso me esclarecer aqui sobre a seriedade da depressão e em como deve ser tratada na terapia e, dependendo do caso, também com medicamentos. No entanto, acho que vale a pena falar sobre pontos importantes que nós mesmos podemos refletir sozinhos, e um (de muitos) deles é o perfeccionismo. Será que o seu perfeccionismo e as suas expectativas em geral estão te sabotando?

Quando esperamos demais de nós mesmos, às vezes um simples hobby pode virar uma frustração. Tudo na vida envolve aprendizado e experiência, seja em sua profissão ou em um passa-tempo. Se você sempre desiste de algo na primeira tentativa ou na primeira falha, lembre-se que sempre haverá um momento onde você se sentirá inseguro sobre os seus talentos, seja lá no que for. Um chef de cozinha não aprendeu a fazer tudo o que faz da noite para o dia, e até mesmo os mais experientes chefs às vezes queimam um prato. Se você desistisse de todos os seus desafios na vida, não saberia amarrar os sapatos hoje em dia – coisa que você provavelmente faz com a mesma facilidade de escovar os dentes, outro ato que você teve de aprender, e provavelmente não foi tão fácil nas primeiras vezes.

A autocrítica pode nos roubar talentos ou diversões, levando muitas pessoas a se “divertirem” com atos que não lhe trazem nenhum benefício, como abuso de álcool ou drogas ilícitas. Outras podem esquecer da vida assistindo TV. Nada contra a telinha, mas quando isso é o seu meio de fuga da realidade e dos seus desafios, ela se torna um problema. Muitas pessoas aparecem no consultório com autocríticas extremas, que as pôs em uma prisão cognitiva – “não consigo fazer nada direito”, “não sou bom em nada”, eles dizem. Quem não tenta nada não se torna bom em nada, isso é fato. O caminho de todos nós é cheio de dificuldades, e, apesar de podermos desviar de alguns obstáculos, muitos deles são necessários.

Aliás, vale lembrar que o que estou falando aqui não se resume em “não desista de nada”. Às vezes algumas coisas e pessoas devem ser deixadas de lado. Desistir quando necessário é sadio e deve ser feito. Este texto é para as pessoas que desistem de tudo que não saia perfeito da primeira vez.

Por último, vale lembrar que a maioria dos perfeccionistas também esperam um bocado dos outros, criando ressentimento quando suas altas expectativas não se realizam. Novamente, é importante se lembrar dos processos e dos esforços dos outros, e não somente dos resultados. Isso não somente afeta os relacionamentos, mas também pode trazer várias formas de somatização. Internalizar esses sentimentos pode trazer depressão, dores de cabeça e ansiedade.

Se você acha que você se encaixa no perfil, tente parar e apreciar todo o processo, ao invés de apenas focar no resultado. Ao invés de desistir ou se irritar, pense em como melhorar seu desempenho, e lembre-se que tudo na vida precisa ser aprendido. Isso também vale para as pessoas com quem você se relaciona: pense no processo e no esforço delas, e não somente na expectativa. Todos nos decepcionamos às vezes, e é importante perdoar a si mesmo e aos outros.

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Perdendo a concentração? Pode ser o seu celular

iphone-6-458150_640.jpg
Você anda sentindo que a sua memória não é a mesma? Ou que sua habilidade para focar simplesmente sumiu? Talvez seja o seu aparelhinho aí do seu lado.
Por favor, como psicóloga, não estou aqui para dizer que problemas sérios como o Transtorno do Déficit de Atenção não existem. Nada disso. Muito pelo contrário! Mas, é óbvio que certos ambientes e pessoas podem nos afetar proundamente – às vezes a ponto de nos sentirmos doentes. Todos sabemos disso, certo? Objetos não são exceção – especialmente quando estes são praticamente ‘vivos’.

Os celulares, especialmente os smartphones, nos trazem milhares de benefícios: podemos checar nossos e-mails, tirar fotos, mandar mensagens, ver novidades no facebook, assistir vídeos… Enfim, considerando que grande parte da população têm um smartphone, não preciso me alongar em suas vantagens – dessas, a grande maioria já sabe. Porém, ficar “antenado” o tempo inteiro pode trazer consequências, como, por exemplo, um constante estado de vigia, esperando a próxima interação, o próximo like, o próximo e-mail. Quantas vezes você interrompeu a atividade que estava fazendo para dar uma espiada no celular? Quantas vezes você não aguentou e teve que pegar o seu celular no meio da aula, reunião, ou até mesmo enquanto conversava com um amigo?

Considerando a distração causada pelos aparelhos, pesquisadores da Universidade do Texas em Austin resolveram fazer uma experiência: Diversas pessoas foram alocadas para mesas, para fazer um teste que media a atenção e a capacidade cognitiva. Para alguns, os pesquisadores apenas pediram que os celulares fossem desligados e colocados com a tela para baixo, em cima da mesa. Para outros, o celular deveria ficar dentro da bolsa ou mochila, enquanto, para um terceiro grupo, foi pedido para que seus celulares fossem levados para outro ambiente enquanto esses faziam o teste.

Os resultados do estudo apenas comprovaram o que muitos de nós provavelmente já imaginávamos: as pessoas que estavam com seus celulares em outro ambiente tiveram notas significantemente melhores do que as pessoas com o celular na mesa. Até as pessoas que colocaram o celular na bolsa/mochila obtiveram melhores resultados no teste do que o grupo com o aparelho na mesa.

Obviamente, o nosso cérebro acaba tão acostumado em checar o aparelho que, até mesmo quando ele está desligado nós pensamos nele, especialmente se ele estiver perto. Aliás, não somente isso: gastamos nossa atenção e energia pensando em não pensar nele! Nossa capacidade cognitiva e atenção não são ilimitadas, e gastamos uma boa parte de nossos recursos mentais usando o celular. O usuário de smartphone o utiliza em média 85 vezes por dia, desde a hora que acorda até a hora de dormir – sem contar que muitos usam o celular quando acordam no meio da noite, para fazer aquele pit stop no banheiro. Conhece alguém assim? Não é tão incomum quanto se imagina. Aliás, isso não ajuda em nada a voltar a dormir, já que a tela dos celulares causa insônia.

Claro, celulares são ótimos para comunicação, trabalho e até (ou especialmente) para diversão, mas precisamos parar para pensar o quanto estamos perdendo a atenção na vida real e na nossa produtividade por causa do aparelho. Seja num teste, na hora de escrever um post (como este) ou até mesmo conversando com alguém, deixe o celular de lado – mas de lado mesmo.

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

3 maneiras de se auto-sabotar

pocket-watch-1637392_640.jpg

1. Ficar pensando no “se eu tivesse…”
Todos temos arrependimento em relação a algo que aconteceu no nosso passado, seja algo que então tínhamos controle (“se eu tivesse estudado mais…”) ou não tínhamos controle algum (“se eu tivesse nascido em outro país/família…”). O grande problema é que esses arrependimentos podem se arrastar por anos (até mesmo décadas!) e eles não nos levam a nenhuma atitude (a menos que você possua uma máquina do tempo) e só nos trazem frustração – e o pior: Ruminar esses pensamentos faz com que você acabe seguindo os mesmos padrões de antes.

Transforme o “se eu tivesse…” em aprendizado, trocando sua forma de pensar:
-“Aquilo aconteceu sim, mas agora aprendi e posso fazer diferente”.
-“Não posso mudar meu passado, mas posso mudar meu futuro”.

Esses pensamentos são mais saudáveis e vão ajudar a você parar de lamentar e se auto-sabotar.

2. Enterrar seus sentimentos
Muitos acham que reconhecer os sentimentos significa fazer um drama público ou gritar com alguém, mas a verdade é que, se você reconhecer seus sentimentos, a chance de acontecer as coisas que acabei de mencionar são menores do que quando tentamos enterrar nossos sentimentos, seja por medo de ser julgado, ou até mesmo por sentimentos de culpa.

A verdade é que sentimentos enterrados crescem, ao invés de desaparecerem. É como ter uma panela de água fervente: Se você tampá-la, não somente vai continuar fervendo, como fará uma bagunça. No entanto, se você tirar a tampa e deixar o ar entrar, terá uma situação bem mais estável. Ter ciência dos seus sentimentos não faz uma bagunça; cobri-los, no entanto, faz.

3. Começar amanhã
Isso é muito comum em pessoas que querem fazer dieta: Comem, e a dieta sempre começa amanhã. E o amanhã nunca chega. Com produtividade também:
“Hoje foi um dia ruim, começarei amanhã o meu projeto”.
Por que você não transforma essa pausa de um dia em quinze minutos? Por que, ao invés de começar ‘amanhã’, você não começa na próxima hora? Reduzir essa pausa ajuda em diminuir o pensamento do tipo “tudo ou nada”. Tire uma pausa, porém curta: dê uma volta, respire, medite, converse com um amigo – qualquer coisa que lhe ajude a se concentrar ou a dar um “boot” no seu sistema. Não esqueça que o amanhã nunca é hoje. Foque nos seus planos.

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Mídias sociais e o mundo real

smartphone-1445489_640
(imagem: pixabay.com)

As mídias sociais se tornaram importantíssimas nos últimos anos. Elas trazem facilidade para se conectar à familia e amigos, trazem notícias e entretenimento. As ligações para primos e amigos agora viraram comentários e chats, e até mesmo convites para eventos reais são feitos pelo Facebook. Não posso comentar muito sobre o Instagram ou algum outro site da moda, mas, particularmente, o Facebook é uma mão na roda.

Mas, como quase tudo na vida, o Facebook tem um lado negativo. Muitos vêem a quatidade de amigos, de likes ou de compartilhamentos como um símbolo de popularidade e de status. Fotos de amigos ou celebridades da internet também podem ser motivo de comparação – “Por que a minha vida não é assim“? Isso afeta principalmente quem já possui uma auto-estima frágil, gerando ansiedade e depressão.

Se você se vê afetado pelas mídias sociais, leia as dicas seguintes:

Visite menos as páginas: Mídias sociais são, de fato, viciantes. Controle o uso. O que for importante, como convites, estarão esperando por você lá, quando você entrar. Lembre-se que o Facebook (ou qualquer outra mídia social que você use) é apenas uma pequena parte da sua vida.

Pare com as comparações: Se comparar aos outros na vida real já e ruim, se comparar aos outros em mídias sociais é completamente inútil. Pode até parecer que apenas a sua vida é ruim, mas a verdade é que a grande maioria das pessoas apenas postam o lado bom de suas vidas – são poucas as que contam suas lutas diárias e suas tristezas. Você basicamente está vendo fotos sem um contexto. Você não deve se comparar à fotos que são selecionadas justamente para mostrar uma vida perfeita.

Você é mais importante: Likes no Facebook não vão lhe trazer felicidade. A felicidade vêm de dentro, e a sua qualidade de vida depende do que você pensa de si, e não o que os outros pensam de você. Invista seu tempo em fazer coisas que lhe façam bem, e não deixe um site controlar a sua vida e seu humor. Você é muito mais do que o seu perfil na internet.

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Gaslighting

hands-966492_960_720
(pixabay.com)

Gaslighting é uma técnica de manipulação emocional que, feita repetidas vezes, faz com que a pessoa duvide de si mesma. É muito comum em relacionamentos abusivos – aliás, abuso emocional é muito mais comum do que imaginamos.

Por que esse nome?

Gaslight é o nome da obra de Patrick Hamilton, que conta a história de um casal, onde o marido tenta fazer com que a esposa pense que ela está ficando maluca. Ele faz isso com táticas sutis, e uma delas é diminuir as luzes de gás (por isso o nome da obra). A esposa fala para o marido que as luzes estão mais fracas e ele nega, começando assim a questionar a sua sanidade.

Frases como:
“Você está maluca”
“Eu nunca disse isso”
“Você é sensível demais”
“Está de TPM?”
Desmerecem os sentimentos e/ou a memória da pessoa. Claro, ninguém se lembra de absolutamente tudo o que disse, mas há uma grande diferença entre não se lembrar e acusar o outro de estar com problemas de memória/emocionais e tentar reescrever a memória deste. Gaslighting é uma técnica de desorientação.

Essas mesmas frases, entre outras semelhantes, lentamente quebram a auto-confiança de quem está sofrendo gaslighting. Alguns sintomas são:

-Auto-questionamento da própria memória ou de emoções.
-Confusão mental, incluindo “estar se sentindo maluco”
-Você se vê sempre cometendo erros, e está sempre pedindo desculpas para uma pessoa, mas não consegue entender como reagiu de tal forma.
-Você não consegue entender como que, com tantas coisas boas acontecendo na sua vida, você está infeliz
-Você frequentemente cria desculpas para defender seu parceiro/parente/amigo
-Incapacidade de fazer decisões simples
-Você sente que não consegue fazer nada direito
-Você se pergunta se é uma pessoa boa o suficiente

Lembre-se que gaslighting pode ser feito por qualquer pessoa, incluindo chefes, colegas de trabalho, familiares e parceiros. Se você está sentindo que precisa defender sua sanidade ou o seu valor como pessoa, é bom se perguntar se você está sendo manipulado por alguém.

A terapia pode ajudar a perceber a manipulação e a lidar com ela, seja mudando a dinâmica da relação tóxica ou cortando-a completamente.

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Você está em um relacionamento com um narcisista?

self-love-65693_640.jpg
(pixabay.com)

No ‘mundo leigo’, quando alguém fala de narcisismo, as pessoas ao redor pensam em uma pessoa vaidosa, que fica se olhando no espelho por mais tempo do que a maioria. Porém, narcisismo é algo muito mais sério do que uma vaidade exacerbada. As pessoas que possuem esse transtorno de personalidade podem afetar profundamente a vida das pessoas ao seu redor, principalmente parceiros, que normalmente são as principais ‘fontes de energia narcísica’ para estes. Na minha experiência clínica, posso dizer que não é incomum tratar de parceiros de pessoas com este tipo de problema.

Então, decidi listar aqui alguns sinais de Transtorno de Personalidade Narcisista

1- Carismático e sedutor
É muito fácil ser enganada(o) por um narcisista, pois os primeiros dias de interação com essa pessoa serão perfeitos. Os narcisistas criam uma máscara perfeita para conquistar seus alvos. Assim que a fase da conquista acaba, a máscara cai (às vezes voltando caso ele(a) precise de volta). Somente depois disso que vemos os outros sinais.

2- Insensível às necessidades dos outros
O parceiro não é escutado, e o relacionamento gira em torno do narcisista.

3- Não assume seus erros.
A culpa é sempre do outro ou de algum evento. Nunca assumir responsabilidade pelos atos é um grande sinal de narcisismo.

4-Hipersensibilidade à críticas
Narcisistas não aceitam a “crítica construtiva” muito bem. Não somente isso, um comentário completamente inocente pode se tornar o começo de uma briga. O narcisista, apesar de mostrar ao mundo a sua ideia de perfeição e grandiosidade, na verdade possui um ego extremamente frágil.

5- Manipulação
Especialmente quando há briga, espere que o narcisista fique mudo e não queira cooperar. Ficar mudo, ignorar ligações e mensagens são comuns. Narcisistas são experts em truques para obterem o que querem, seja ganhar em uma discussão, obter um objeto ou conseguir um favor.

6- Desvalorização dos outros
Narcisistas geralmente põem os outros como inferiores, apontando seus erros, para se sentirem melhores.

7- Triangulação
Envolvem uma terceira pessoa no relacionamento (muitas vezes uma pessoa que poderia ‘roubá-lo’ de você) para deixar você frágil, portanto mais fácil à manipulação. Isso também é usado para aumentar o ego do narcisista. Existem outras formas de triangulação, que eu mencionarei em outro post dedicado à isso.

8- Sem regras
Narcisistas se sentem acima de qualquer qualquer um, incluindo a lei. Atitudes como obter prazer roubando pequenas coisas ou ultrapassar sinal sem necessidade podem ser um grande alerta de narcisismo.

E claro: fantasias de grandiosidade, monólogo sobre si mesmo e falta de interesse honesto e real em outras pessoas.

Mas então, o que fazer? Devo largar meu narcisista?
Isso quem deve descobrir é você. Porém, lembre-se que pessoas que sofrem de Transtorno da Personalidade Narcisistas têm dificuldade de ver seus próprios erros e seu impacto nos outros. Nós não podemos mudar nossos parceiros à força, e as pessoas só fazem mudanças quando veem que há necessidade. Algumas pessoas com esse transtorno podem SIM mudar para melhor, mas requer que eles mesmos queiram mudar e requer bastante trabalho na terapia. Por último, lembre-se que você precisa também achar a sua felicidade, seja com esse parceiro, sozinha(o) ou com outro. Não aceite abuso de seu parceiro, tenha ele recebido um diagnóstico ou não.

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Mais do que apenas aturar

girl-1562025_1280
(pixabay.com)

Meninas são ensinadas desde cedo a serem agradáveis e “boazinhas”.  Ser amiga de todos e não criar conflitos é mais importante para as mulheres do que para os homens. Aprendemos desde cedo a sermos comportadas e a fazermos de tudo o possível para sermos bem-vistas. Isso pode ser uma tática de socialização, mas pode vir com um preço bem caro quando nos envolvemos em relacionamentos tóxicos.

Essas mesmas mulheres que, quando meninas, queriam agradar a todos, podem crescer sem voz em um relacionamento – mulheres que fazem tudo para agradar o parceiro, dando o máximo de si, para pessoas que não lhe dão o retorno desejado.

Muitas vão para a clínica e reclamam da situação. Quando questionadas sobre o que estão fazendo a respeito, se calam – afinal, mulheres que reclamam “chateiam” – ou é assim que muitas pessoas pensam. Arranjam desculpas como “um dia ele verá meu valor” ou “ele não mostra, mas sei que gosta de mim” para não terem que tomar uma atitude.  Essas acabam sofrendo caladas, para não perderem o relacionamento que têm com seu namorado/marido/companheiro. Mantêm uma relação… Mas a que custo? O preço é alto. Alto demais. Não deveria ser pago.

A verdade é que comunicação é essencial em um relacionamento, e ambas as partes devem ter seus desejos emocionais e físicos realizados. As necessidades devem ser conversadas, e, um parceiro que é incapaz de ouvir não é um parceiro bom o suficiente. Homens maduros emocionalmente preferem ouvir o que suas mulheres querem. E se suas necessidades também não puderem ser atendidas pelo mesmo, considere isso um sinal de incompatibilidade. Pare de criar desculpas para sustentar um relacionamento desequilibrado.

Pense em você, nas suas necessidades e no porquê de você estar aceitando relacionamentos com parceiros que não são bons para você. Você merece e pode ser feliz.Você merece mais do que apenas aturar.

Paula Monteiro
Psicóloga Clínica

Para marcação de consultas:
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Contos de fadas na vida real quase sempre dão errado

Peach_(Super_Mario_3D_World)
(fonte:Wikipedia)

Nós, mulheres, crescemos com a ideia de sermos princesas. A Disney tem várias princesas, e para todos os gostos. Pais chamam filhas de “princesinhas”, e vemos vestidos bufantes rosa com coroas à venda em todas as lojas de roupas, brinquedos e acessórios para crianças. Uma menina bonita é sempre uma “princesa”. A maioria das princesas das histórias infantis (as mais tradicionais, pelo menos – um grande salve às histórias em que isso é diferente) tem um príncipe que a salva de todos os problemas e eles então vivem juntos, felizes para sempre. E esse é o final da história: O príncipe encontra e luta pela princesa, que estava esperando passivamente por ele, e eles se casam. A princesa, nas entrelinhas, tem o seu sonho realizado: um príncipe – ela não precisa de mais nada.

Esse bombardeio de princesas cria em muitas mulheres a ideia de que ter um marido é o objetivo final da vida. Nada mais importa. O foco é arranjar um marido, e ele é tudo o que você precisa para ser feliz, porque ele vai resolver absolutamente todos os seus problemas. Não preciso dizer aqui o quão isso está errado e o quanto esse pensamento é maléfico (para ambas as partes, aliás). Então, vamos direto aos principais motivos de isso ser tão ruim para você, seu (futuro ou atual) parceiro e o seu relacionamento:

Papéis rígidos em um relacionamento são desgastantes e levam à decepção: Tanto para homens quanto para mulheres. Ser uma princesa encantadora o tempo todo é difícil, e ser o príncipe corajoso que tem que fazer absolutamente tudo também é. Quando você põe tudo nas costas de seu parceiro, ele fica exausto, e quando você espera demais, está pedindo para se deprimir e se decepcionar com o seu parceiro.

Ser a princesa pára o seu crescimento: Meninas que focam apenas em serem delicadas e femininas, tendo como objetivo final serem adoradas acabam perdendo poder no mundo. Mulheres que focam apenas em objetivos românticos tendem a ser menos interessadas em carreiras na área da matemática e ciências. Mulheres que não colocam seus valores em nenhuma outra área senão no relacionamento têm menor autoestima e se deprimem mais facilmente do que mulheres que têm diversos interesses.

Mulheres que procuram príncipes podem achar príncipes não-tão-encantados: Se o seu parceiro quer completa feminilidade e delicadeza, ele não quer assertividade (isto é, mulheres independentes que podem tomar suas próprias decisões). Ser “princesa” pode lhe custar caro, como não ter suas opiniões e decisões respeitadas.

Estar em um pedestal e ser vista como uma delicada flor pode fazer você sofrer “machismo benevolente” pelo seu parceiro. Ter um príncipe encantado que te protege de tudo tem o seu ponto negativo: Ele é quem toma as decisões (tudo tem o seu lado negativo – lembre-se: se algo parece bom demais para ser verdade, é porque provavelmente é). Não estou dizendo que necessariamente terá uma pessoa ao seu lado assim, mas você abre mais oportunidades para parceiros dominadores desse tipo.

Resumindo: Um relacionamento de conto de fadas é exaustivo para ambas as partes. Demanda demais do homem e a mulher perde seu valor (e ainda mais com o tempo). Tenha um relacionamento saudável, com expectativas realistas e equilíbrio nas decisões do casal. Além disso, não seja uma princesa. Seja uma guerreira. Vá, e conquiste o seu mundo.

Paula Monteiro
Psicóloga Clínica
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Compulsão à Repetição

Por que algumas pessoas escolhem parceiros iguais aos parceiros que tiveram no passado, se estes eram abusivos, alcoólatras, narcisistas, etc? Não faria mais sentido procurar um relacionamento mais saudável, procurando parceiros talvez até com traços extremamente opostos?

Esse fenômeno psicológico de repetição tem o nome de “compulsão à repetição”. A pessoa repete o evento traumático ou suas circunstâncias, onde o evento poderia ocorrer novamente.

A origem do trauma não necessariamente é um relacionamento amoroso; pode vir de outras fontes, como, por exemplo, pais abusivos. A questão é: Independente da fonte, por que repetir uma situação ruim?

Primeiramente, a maioria das pessoas que comete essa repetição não percebe que há uma repetição, e se percebem, na maioria das vezes não identificam a origem. Inconscientemente, a pessoa repete a situação original tentando mudar o resultado. Vou dar um exemplo: Uma moça que o pai era sempre ausente na infância entra repetidamente em relacionamentos com homens ausentes, tentando agradá-los cada vez mais para obter a atenção que tanto deseja.

Além disso, nós humanos somo seres de hábitos; isto é, procuramos o que conhecemos. Logo, uma pessoa pode estar tão acostumada a um certo tipo de situação ruim, que tudo naquele ambiente é previsível, enquanto um relacionamento diferente, completamente novo, pode parecer assustador (por mais que seja mais saudável), porque essa pessoa não viveu nada parecido com aquilo. Todos sabemos o quão assustador o desconhecido pode ser.

A relação terapêutica explora as raízes dos traumas e as consequências na vida atual do paciente, tentando eliminar esse padrão repetitivo.

Paula Monteiro
Psicóloga Clínica
psicologapaulamonteiro @ gmail.com
(21) 99742-7750