O amor não é cego, mas gosta de ser enganado.

ryoji-iwata-474369-unsplash

Tem muita gente que sabe que está sendo enganada. Já outros, apenas desconfiam. Por último, tem uns que sequer percebem sinais de alerta (que às vezes estão mais para sirenes vermelhas gritantes) no relacionamento, e se surpreendem quando este termina de forma trágica. Aí, depois de a bomba explodir, essas pessoas olham para trás e se perguntam estarrecidos como não perceberam tudo o que estava acontecendo por meses/anos, e sentem como se uma grande venda invisível fosse retirada dos olhos depois de muito tempo de enganação.

Você já passou por isso?

Quase todos nós já passamos por situação semelhante, portanto, não precisa se envergonhar. Existem muitas explicações para essas “cegueiras do amor”, e hoje vou falar de duas que são bem comuns:

Intimidade:
Quando conhecemos bem uma pessoa, geralmente sabemos quando ela está mentindo. A mentira causa um estresse mental, que faz com que o nosso comportamento mude quando falamos algo que não é verdade. Logo, quanto mais conhecemos uma pessoa, mais sabemos as suas “caras e bocas” normais. Por outro lado, se essa pessoa for uma mentirosa “profissional” o jogo pode virar: por te conhecer bem também, ela vai saber quando você está suspeitando da mentira. Pessoas que mentem muito tendem a pegar esses sinais de suspeita e se adaptar a eles. Além disso, o estresse cognitivo causado pela mentira diminui com a prática do ato. Mentir é uma “habilidade” como qualquer outra, então quanto mais se mente, mais natural e mais fácil fica mentir, justamente pela diminuição do nível de estresse pela prática.

Dissonância cognitiva:
Muitas vezes não queremos ver o que está gritante de óbvio simplesmente porque a verdade não é conveniente para nós. Quando gostamos de alguém, fazemos de tudo para manter uma imagem impecável desta pessoa. Então, quando algo errado aparece, tendemos a diminuir a importância deste detalhe ou nos cegar ao fato completamente, pois essa “mancha” na imagem do amado causa a chamada dissonância cognitiva. A dissonância cognitiva é um “desconforto mental” causado por duas ideias ou valores que são contraditórios. Fazemos isso com muitas coisas e pessoas em nossa vida, inclusive com o nosso amado(a). Na terapia, a dissonância cognitiva é muito trabalhada (ou encarada).

Independente de como e do motivo de você ter sido enganado, é bom lembrar que a culpa nunca é sua por ter acreditado em seu parceiro. Jogar o peso da situação para si não é a solução. Um dos mais importantes trabalhos da terapia é justamente abrir nossos olhos para situações que podemos mas não queremos ver, evitando assim situações semelhantes no futuro.

Para marcação de consultas (online ou presencial em Petrópolis):
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750
(24) 98187-4040

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s