Contos de fadas na vida real quase sempre dão errado

Peach_(Super_Mario_3D_World)
(fonte:Wikipedia)

Nós, mulheres, crescemos com a ideia de sermos princesas. A Disney tem várias princesas, e para todos os gostos. Pais chamam filhas de “princesinhas”, e vemos vestidos bufantes rosa com coroas à venda em todas as lojas de roupas, brinquedos e acessórios para crianças. Uma menina bonita é sempre uma “princesa”. A maioria das princesas das histórias infantis (as mais tradicionais, pelo menos – um grande salve às histórias em que isso é diferente) tem um príncipe que a salva de todos os problemas e eles então vivem juntos, felizes para sempre. E esse é o final da história: O príncipe encontra e luta pela princesa, que estava esperando passivamente por ele, e eles se casam. A princesa, nas entrelinhas, tem o seu sonho realizado: um príncipe – ela não precisa de mais nada.

Esse bombardeio de princesas cria em muitas mulheres a ideia de que ter um marido é o objetivo final da vida. Nada mais importa. O foco é arranjar um marido, e ele é tudo o que você precisa para ser feliz, porque ele vai resolver absolutamente todos os seus problemas. Não preciso dizer aqui o quão isso está errado e o quanto esse pensamento é maléfico (para ambas as partes, aliás). Então, vamos direto aos principais motivos de isso ser tão ruim para você, seu (futuro ou atual) parceiro e o seu relacionamento:

Papéis rígidos em um relacionamento são desgastantes e levam à decepção: Tanto para homens quanto para mulheres. Ser uma princesa encantadora o tempo todo é difícil, e ser o príncipe corajoso que tem que fazer absolutamente tudo também é. Quando você põe tudo nas costas de seu parceiro, ele fica exausto, e quando você espera demais, está pedindo para se deprimir e se decepcionar com o seu parceiro.

Ser a princesa pára o seu crescimento: Meninas que focam apenas em serem delicadas e femininas, tendo como objetivo final serem adoradas acabam perdendo poder no mundo. Mulheres que focam apenas em objetivos românticos tendem a ser menos interessadas em carreiras na área da matemática e ciências. Mulheres que não colocam seus valores em nenhuma outra área senão no relacionamento têm menor autoestima e se deprimem mais facilmente do que mulheres que têm diversos interesses.

Mulheres que procuram príncipes podem achar príncipes não-tão-encantados: Se o seu parceiro quer completa feminilidade e delicadeza, ele não quer assertividade (isto é, mulheres independentes que podem tomar suas próprias decisões). Ser “princesa” pode lhe custar caro, como não ter suas opiniões e decisões respeitadas.

Estar em um pedestal e ser vista como uma delicada flor pode fazer você sofrer “machismo benevolente” pelo seu parceiro. Ter um príncipe encantado que te protege de tudo tem o seu ponto negativo: Ele é quem toma as decisões (tudo tem o seu lado negativo – lembre-se: se algo parece bom demais para ser verdade, é porque provavelmente é). Não estou dizendo que necessariamente terá uma pessoa ao seu lado assim, mas você abre mais oportunidades para parceiros dominadores desse tipo.

Resumindo: Um relacionamento de conto de fadas é exaustivo para ambas as partes. Demanda demais do homem e a mulher perde seu valor (e ainda mais com o tempo). Tenha um relacionamento saudável, com expectativas realistas e equilíbrio nas decisões do casal. Além disso, não seja uma princesa. Seja uma guerreira. Vá, e conquiste o seu mundo.

Paula Monteiro
Psicóloga Clínica
psicologapaulamonteiro@gmail.com
(21) 99742-7750

Advertisements

2 thoughts on “Contos de fadas na vida real quase sempre dão errado

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s